Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Você x Outro

O dramaturgo inglês Tom Stoppard disse certa vez que escrevia peças porque escrever diálogos é a única maneira respeitável de você se contradizer.

LUIS FERNANDO VERISSIMO, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2013 | 02h09

***

Imagine você e o Outro sobre um palco. Você e o seu contraditório. Você e seu interlocutor, sem o qual não haveria nem o diálogo nem a peça. Os dois começaram a se desentender antes mesmo de entrar em cena. Um, você, querendo explicar para a plateia de saída que vocês representam os dois lados do autor, o que diz e o que se contradiz. O Outro querendo que o espectador deduza que os dois representam a mesma pessoa, porque, na sua opinião, dar muitas explicações para a plateia subverte a relação de cumplicidade misturada com hostilidade que deve existir entre palco e público, e nada destrói este clima mais depressa do que o público descobrir que está entendendo tudo. Você e o Outro decidiram ser perfeitamente claros, mesmo com o perigo de frustrar o público.

Então vamos lá. Você e o Outro sobre um palco.

***

Você - Branco

Outro - Preto.

Você - Por que não cinza?

Outro - Lá vem você com essa sua absurda mania de conciliação. Essa volúpia pelo entendimento. Essa tara pelo meio-termo!

Você - Se não fosse isso, nós não estaríamos aqui. Foi minha moderação que nos manteve vivos e longe de brigas. Foi minha ponderação que nos preservou. Se eu fosse atrás de você...

Outro - Nós teríamos vivido de verdade! Pouco, mas com um brilho intenso. Teríamos dito tudo que nos viesse à cabeça. Distinguido o pão do queijo com audácia. Posto pingos destemidos em todos os "is". Dado nome e sobrenome a todos os bois!

Você - Em vez disso, fomos civilizados. Isto é, contidos e cordatos.

Outro - E temos os tiques nervosos para provar.

Você - Você preferiria ter dito a piada que magoaria o amigo? A verdade que destruiria o amor? O insulto que nos levaria ao pronto-socorro, setor de traumatismo?

Outro - Preferiria. Para poder dizer que não me calei. Para poder dizer "Eu disse!"

Você - Ainda bem que não é você que manda em nós.

Outro - Não, é você. Sempre fazemos o que você determina. Ou não fazemos. Não dizemos. Não vivemos! Estou dentro de você, fazendo, dizendo e vivendo só em pensamento. Se ao menos eu pudesse sair aos sábados...

Você - Para que, para nos matar? Pior, para nos envergonhar?

Outro - Melhor se envergonhar pelo dito e o feito do que pelo não dito e o adiado. Você sabe que cada soco que um homem não dá encurta a sua vida em 17 dias? E cada vez que um homem pensa em sair dançando um bolero sozinho e se controla, seu fígado diminui e sua próstata aumenta? E cada...

Você - Bobagem. Ainda bem que eu sou o verdadeiro nós.

Outro - Não, eu sou o verdadeiro você.

Você - Você só é nós em pensamento. Você é a minha abstração.

Outro - Sou tudo o que em nós é autêntico e não reprimido. Ou seja: você é a minha falsificação.

Você - Você não é uma pessoa, é uma impulsão.

Outro - Você não é uma pessoa, é uma interrupção.

Você - Mas quem aparece sou eu.

Outro - Então o que eu estou fazendo neste palco, e ainda por cima de malha justa?

Você - Você só está aqui como uma velha tradição teatral, o interlocutor. Um artifício cênico, para o Autor não falar sozinho.

Outro - Quer dizer que eu só entrei em cena para dizer...

Você - Preto. E eu, branco.

Outro - Por quê?

Você - Para mostrar à plateia que todo homem é a soma, ou a mescla, das suas contradições. Que no fim o destino comum de todos, cremados ou não cremados, não é ser branco ou preto, é ser cinza.

Outro - Mostrar a quem?

Você - À pla... Onde está a plateia?!

Outro - Foram todos embora.

Você - Será porque não entenderam o diálogo?

Outro - Acho que foi porque entenderam.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.