Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Você sabe quem está prendendo?

'Testemunhamos mais um ato reacionário de resistência à igualdade como valor'

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

11 Abril 2018 | 02h00

Usando o poder da lei, como tirar do palco alguém ali colocado e consagrado pela opinião pública? Um ator cuja aparição no cenário político ocorreu em tempos nos quais tudo era proibido e a cadeia não era um espaço controlado pelo devido processo legal, mas algo corrente para quem queria mudar ou resistir - os chamados “subversivos”?

E a subversão como estamos finalmente percebendo sem as lentes do nosso autoritarismo que é parte do poder à brasileira. Naquela época, entretanto, poucos ousavam resistir e foi nesse clima que surgiu o operário do ABC. O metalúrgico não modulado intelectual ou ideologicamente, mas ousado o suficiente para enfrentar o regime militar. É lamentável que tal personagem tenha sido enredado por si mesmo e pela índole equivocada do seu partido a ponto de hoje ser o inverso do que prometia sua luminosa trajetória política.

*

Mesmo vivendo num imenso território falamos, lemos e escrevemos numa única língua. Mas usamos idiomas ambíguos no nosso modo de navegação social. Fomos monarquistas escravocratas e hoje somos republicanos alérgicos à igualdade. A regulagem impessoal de uma fila que requer espera, como digo no livro Fila & Democracia, escrito com Alberto Junqueira, enerva e irrita, mostrando como a cidadania ainda é concebida pelo modelo dos patrões barões.

O sistema é democrático, mas se a liberdade é idolatrada, pois ela se confunde com o direito à reclamação e ao confronto; a igualdade, que obriga a contenção justamente pela consciência da igualdade do outro, é vivida com ambiguidades. Para muitos, o reconhecimento do outro é um sinal de inferioridade. Poucos o tomam como um sinal de respeito pelo próximo como um igual, embora eventualmente divergente. Hoje, vemos com consternação a “esquerda” reagir negativamente diante de um princípio que ela própria adotou.

Eu cito um jornal, mas você (esquerdista) diz com desprezo: “Esse eu não leio!”. Você transforma a notícia em interpretação e, quando lhe interessa, faz o oposto, fazendo a interpretação virar o fato. Essa é a postura que nega a alternativa e a alteridade. Estamos no reino do tudo ou nada. Um espaço no qual fica em suspenso a atribuição de responsabilidade individual. A culpa é, como diz um raivoso Lula prestes a se entregar, sempre do outro.

*

Esquecemos que a igualdade e a liberdade trabalham. De fato, os cargos que ocupamos também nos ocupam e modelam. Ou deveriam modelar e se nos modelam para o mal, devem ser politizados. Ou seja: discutidos com bom senso e boa-fé. Honestamente.

Se como porteiro ou lixeiro, eu como professor sou obrigado a fazer certas coisas, imagine as demandas do papel de presidente da República. Como é que um presidente que prometeu não errar no sentido de mudar o Brasil, envolveu-se a ponto de ser condenado criminalmente? Acho isso mais do que vergonhoso: é desolador.

*

Discutimos tudo menos os conflitos entre papéis sociais. Pode um juiz julgar um caso no qual um parente está envolvido? Quais os limites dos favores que um administrador público pode se permitir? Pode um cargo público ser concedido apenas por amizade ou motivação política? Passando por cima dos conflitos de interesse, liquida-se o princípio da igualdade, da competência, da competição, da eficácia e do mérito. O resultado é a contradição e a crise porque o papel, como a língua, a ideologia, a roupa, o dinheiro, o amor, a farda, a beca, a comida, o vinho e tudo o mais, cobra e exige a sua parte. Tornam-se mais ou menos presentes nas nossas vidas. E quando surgem a olho nu diante do ator, há a crise. Como disse Marx, ou é a farsa ou tragédia.

*

Sabemos quem estamos prendendo quando tomamos consciência das nossas contradições. O que testemunhamos no caso Lula é uma dupla resposta para o problema da igualdade perante a lei. A residência no Sindicato dos Metalúrgicos é o retorno clássico às origens: uma tentativa de renascimento. O discurso enfurecido e absurdo da inocência é o da evitação recorrente da culpabilidade. A resistência programada para “ver no que vai dar”, apostando no quanto pior melhor, é o teste de quem se convenceu estar acima da lei. O que vimos não foi o combate do poder do eleito pelo povo contra uma justiça golpista. Foi a tentativa de evasão ao poder da justiça pela truculência.

Felizmente, não deu certo. No fundo, reitero, testemunhamos mais um ato reacionário de resistência à igualdade como valor. Um ato melancolicamente realizado por um ex-presidente criminalmente condenado e por partidos políticos autoritários. A rendição de Lula, enfim, foi um funeral para quem ainda acredita no socialismo.

Mais conteúdo sobre:
professorlivro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.