Divulgação
Divulgação

'Viva a Itália' fecha tríade de Rossellini

O adjetivo "didático" tem conotação pejorativa quando aplicado a filmes de ficção ou documentais. Quem afirma que um filme é didático em geral quer dizer que é esquemático, explicativo demais, quando não maniqueísta e deformador de uma realidade muito mais complexa do que aquela que ele supostamente retrata. Não era esse o pensamento de Roberto Rossellini. Depois de haver se consagrado como pai do neorrealismo italiano, tornando-se diretor de sucesso internacional, além de ter se casado com Ingrid Bergman, Rossellini, no auge da fama, portanto, voltou sua carreira para a direção de filmes assumidamente didáticos. Obras que se propunham explicar algum tema ou traçar o perfil de alguma personalidade política ou do mundo do pensamento. Viva a Itália, que a Versátil agora está lançando, é um deles. Forma com outros dois, já lançados - O Absolutismo e O Renascimento - uma trilogia, A História no Cinema, agrupada em caixa pela Versátil.

LUIZ ZANIN ORICCHIO, Agência Estado

06 de maio de 2013 | 11h29

Este terceiro filme trata de forma clara e explicativa do intrincado processo histórico do Risorgimento italiano, quer dizer, da unificação dos vários estados em que a península era dividida até 1861, até sua consolidação num único estado soberano.

Mas, atenção: a didática de Rossellini não se desenvolve como uma aula fria e analítica a respeito de acontecimentos remotos e decisivos para seu país e para a conformação de toda a Europa. Com mão de ficcionista, empresta aos fatos cor e calor, paixão e sangue. Vida. Ainda mais porque o protagonista desses episódios é ninguém menos que a notável pessoa de Giuseppe Garibaldi, conhecido também entre nós por ter lutado na Revolução Farroupilha e se casado com uma brasileira, Anita.

Os fatos descritos por Rossellini mostram um Garibaldi já veterano de revoluções, depois de haver lutado na América, e agora empenhado na missão de unificar um país visto como um todo linguístico e cultural, embora nuançado por dialetos e costumes diferentes em suas várias regiões. Na época em que trava sua luta, a Itália dividia-se em oito Estados, sob domínio estrangeiro. O Vêneto, por exemplo, pertencia à Áustria, enquanto o Reino das Duas Sicílias era dominado pela dinastia Bourbon.

O espírito de unificação desperta em várias frentes e com inspirações diversas. Os personagens do enredo são Vittorio Emanuelle, rei sardo, que domina o Piemonte; seu ministro Cavour, e os republicanos Mazzini e Garibaldi, ambos com prenome Giuseppe. Rossellini escolhe um episódio emblemático no processo de unificação - a descida do revolucionário, com um exército popular de mil homens, de Gênova a Palermo, para libertar a Sicília. Ficaram conhecidos como "os mil de Garibaldi" e eram, na verdade, 1070. É, na opinião de historiadores, um desses episódios decisivos, que mudam o curso da História. Provavelmente, a descida do exército regular piemontês rumo a Palermo teria despertado fortes reações contrárias na Europa. Os mil de Garibaldi não chamaram tanto a atenção, pois se achava que seriam facilmente liquidados pelo exército dos Bourbons, maior e mais bem armado. O Reino das Duas Sicílias compreendia quase metade da península.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
DVDViva a Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.