Viúva cinquentona, Bridget Jones não busca a perfeição

Sem Marc Darcy, protagonista de Helen Fielding segue simpática e atrapalhada no terceiro título da série

MARILIA NEUSTEIN , O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2013 | 02h15

Ela está de volta. Bridget Jones, a balzaca - agora cinquentona - personagem que conquistou o público feminino no fim dos anos 1990 e começo dos anos 2000, agora é a "louca pelo garoto". A autora, Helen Fielding, queria escrever sobre outras coisas, mas, segundo afirmou ao jornal The New York Times, a voz de Bridget falou mais alto. E ela retornou.

Bem-sucedida autora do gênero "chick lit" - mais conhecido como comédias românticas -, Fielding vendeu mais de 2 milhões de sua Bridget nos dois primeiros livros dessa trilogia, O Diário de Bridget Jones e Bridget Jones no Limite da Razão. No Brasil, foram 160 mil. O primeiro título também conseguiu um feito. Figurar entre os dez que definem o século XX, segundo o The Guardian, ao lado de medalhões como O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald, e 1984, de George Orwell.

Que novidade apresenta Fielding? Em primeiro lugar, uma Bridget na meia-idade e viúva. Sim, a notícia da morte do personagem emblemático Marc Darcy chocou os fãs. Além disso, é mãe de dois filhos. Bridget não é mais a simpática trintona solteirona, charmosa e atrapalhada, em busca de um grande amor, que ganhou milhares de seguidoras no mundo. Trata-se, agora, de uma mulher mais velha, ainda simpática e atrapalhada, com conflitos diferentes: namorar um homem mais novo e ser uma boa mãe diante das exigências contemporâneas. Entretanto, o charme e a honestidade da personagem continuam intactos. Fielding manteve em Bridget, a moça do diário, a doce habilidade de cometer erros. Erros cômicos e esdrúxulos. Bridget Jones é uma verdadeira heroína "chick lit". Fazendo oposição às atuais protagonistas de best sellers predominantemente femininos, como Cinquenta Tons de Cinza e Toda Sua, Jones é a tradução da imperfeição e do bom humor. Seu grande trunfo está na sua capacidade de se divertir e ter êxito em situações prosaicas, como controlar o número de mensagens que manda para o namorado ou não se atrasar ao pegar os filhos na escola.

Eternizada pela atriz Renée Zellweger - que a interpretou nos dois longas-metragens adaptados para o cinema -, ainda não se sabe se o terceiro livro será levado às telonas. No entanto, as apostas já estão abertas para os novos papéis masculinos. E as fãs do "chick lit" esperam, ansiosas, pelo "sim" de Zellweger.

BRIDGET

JONES -

LOUCA PELO GAROTO

Autora: Helen Fielding

Trad.: Ana Ban, Julia Romeu

e Renato

Prelorentzu

Editora:

Companhia das Letras (440 págs., R$ 34,50)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.