Vitórias e impasses no gigantismo de uma festa

Protagonistas da grande vitalidade de São Paulo, cinco agentes culturais debatem na Redação do Estado a consolidação da Virada, em seu quinto ano e com um orçamento recorde de R$ 8 milhões

, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2010 | 00h00

   

 

 

Função. Público assiste ao show dos Novos Baianos na edição do ano passado do evento: "A virada pode ser um cartão-postal, mas pode ser 'a' política cultural", diz Alexandre Youssef

 

 

 

  Virada Cultural é, sim, parte da política cultural da cidade de São Paulo. Entretanto, não pode ser uma ação isolada, tem de buscar deixar resultados perenes na dinâmica artística da metrópole. E aumentar sua "capilaridade", espraiando-se por regiões menos favorecidas da Pauliceia.

Esse é um dos resultados do debate que o Estado promoveu anteontem com cinco expressivos agentes da cultura - o antropólogo José Guilherme Magnani, o empresário Alexandre Youssef, o produtor Mozart Mesquita e as atrizes e produtoras Mariana Senne e Patrícia Barros:

Simbolismo

Alexandre Youssef. "A Virada Cultural é um belo dum cartão-postal, uma maneira de representar a diversidade artística, uma certa vocação que a cidade tem. Mas não pode ser "a" política cultural. E é o que acontece, o que é lamentável. De uma certa maneira, você perde a noção de ações continuadas, de irrigação de determinados focos culturais da cidade, e atores, agentes, produtores que estão fazendo coisas independentemente do governo, do poder público, do mercado, que acabam perdendo conexão com uma das linhas de fomento que deveriam existir - agregadas a coisas como a Virada Cultural."

José Guilherme Magnani. "Essa é uma iniciativa interessante da parte do poder público, pela dimensão que tem, a escala de uma megacidade, um evento que agrega, que abre espaço, e que permite, pelo menos por um certo tempo, a ocupação do espaço urbano. As pessoas têm a sensação de serem atores sociais e de ocuparem um espaço, contrariando essa ideia de que o espaço público está se perdendo. É uma ação simbólica, mas justamente por ser simbólica que é importante, abre espaço, talvez seja importante."

Youssef. "Põe simbólico nisso! Esse papo de que a Virada Cultural é um chamamento para a revitalização do centro... Nós que trabalhamos no centro, a gente sabe que não acontece nada, só a Virada Cultural, o pessoal vai lá e vai embora. Quando eu vejo uma entrevista em que um secretário de Cultura vem e fala: é, existe um lado muito positivo de revitalização do centro, eu acho que é muito absurda a ideia de que revitalizar o centro é colocar gente da classe média e classe média alta andando pelo centro. Não é. Revitalizar o centro tem a ver com uma série de outras questões. Tem a ver com habitação, gente vivendo lá, criando um movimento de baixo para cima, que parta da capilaridade local."

Magnani. "Seria pedir demais para a Virada Cultural fazer tudo isso. Ela não se propõe a isso."

Mariana Senne. "A Virada está trabalhando com um orçamento de R$ 8 milhões para um evento de 24 horas. No teatro, nós temos a Lei do Fomento, que poderia ser um modelo de uma ação pública continuada, que tem R$ 11 milhões durante o ano inteiro. São contemplados 50 grupos, que pode atender a uma população bastante grande, que chega perto dos números absolutos da Virada. É um exemplo de política pública que é de continuidade. Parece que, por mais que as intenções sejam positivas, a Virada não é uma política pública."

Youssef. "Mas ao mesmo a gente não pode cair numa vala perigosa de negar o entretenimento, o lazer, o show, a efervescência, a maluquice, a vanguarda. Isso tudo tem muito a ver com o fato de existir a Virada, porque ela simboliza muito do que é o dia a dia da noite de São Paulo, que é uma coisa enorme, com uma quantidade incrível de eventos, de possibilidades. É muito por aí. O problema é que não há continuidade."

Mozart Mesquita. "Poderia haver mais diálogo. Fica parecendo que é um tiro muito grande num momento muito específico, uma bazuca para atirar num final de semana, um único dia."

Feiras & Paradas

Magnani. "Deixa eu fazer uma relação com outra coisa simbólica que acontece na cidade: as feiras. A Feira da Vila Madalena, da Pompeia, do Bexiga. São momentos em que a população ocupa as ruas por um dia só, mas isso dá uma sensação de que esta cidade pode ser ocupada. Eu vejo uma perspectiva por parte dos atores sociais. Eu moro na Pompeia, e num dia, um dia só, as ruas são usadas para fazer festa. São muitas associações de bairros que vendem, escoam seus produtos. São muitos. Agora, que ela não esgota política pública, é claro que não."

Mesquita. "Se eu não me engano, a Feira da Pompeia vai ser realizada justamente neste final de semana da Virada... Ou seja: concentra ainda mais. Um exemplo de falta de concatenação."

Patrícia Barros. "E aí você vê albergues do centro sendo fechados, a população de rua cada vez mais na rua, a classe média cada vez mais desesperada ali. É muito efêmero, é só evento. Começou, acabou. Tem gente que vem do interior para ver, mas as pessoas dizem: é tudo no mesmo horário. Pega mais a questão megalomaníaca do grande evento do que de fato do entretenimento."

Magnani. "Deixa eu fazer outra comparação então com outro grande evento de São Paulo, a Parada Gay. É um dia só, ela torna pública uma questão que está na ordem do dia, e isso não significa que, durante o ano, os grupos sociais não façam suas reivindicações. O mérito da Parada está em tornar pública uma questão que está subordinada."

Youssef. "A Parada Gay funciona como um exemplo exatamente oposto à Virada. Tentaram retirá-la da Avenida Paulista, como a Marcha para Jesus. A Marcha para Jesus foi retirada, foi para o Campo de Bagatelle. A Parada só não foi retirada por conta de uma mobilização do São Paulo Visitors Bureau, que são os hotéis, da indústria hoteleira, etc., que demonstraram o impacto econômico que a Parada Gay representava. Outra coisa: a Parada Gay tem alguns apoios públicos, mas não se comparam com essas cifras que estão sendo mencionadas para a Virada. É organizada por uma entidade, apoiada por dezenas de entidades privadas, mas não tem esse enfoque de ação pública. E nasceu de forma diferente, de baixo para cima."

A inspiração

Youssef. "A Virada Cultural se inspirou na Nuit Blanche francesa, que teve uma origem muito diferente. Foi criada por Jacques Lang, quando ele era ministro da Cultura do governo Mitterrand, ao mesmo tempo em que ele criava as Maisons de la Musique, que são aquelas casas de música amplificadas que ele construiu milhares no território francês, que tinham palco para música, para teatro, para multimídia. A Nuit Blanche é um maravilhoso evento, agregada às ações de pulverização dos espaços e ações culturais em todo o território francês, que se transformou numa política pública revolucionária. Se você perguntar para o Laurent Garnier ou o MC Solaar onde eles começaram, provavelmente dirão que foi tocando em alguma Maison de la Musique. São dois expoentes da música eletrônica e do rap que surgiram após um período de total estagnação, motivados por esse estímulo do Estado francês. Aí a Nuit Blanche fazia todo o sentido, era uma celebração dessa política cultural. É necessário ter uma resposta de continuidade à Virada, porque ela é importante, é simbólica, é bacana, é agitadora. A cidade ganha um respiro. Mas tem que ter essa ação, que seja até um contraponto de continuidade a esse evento grandioso."

Da programação

Youssef. "A exclusão de determinadas expressões é péssima. Eu sou muito a favor do hip-hop, e acho que falta mesmo. Mas acho que a periferia também está representada por outros gêneros, seja a música romântica, seja o forró eletrônico, o funk carioca. Agora, excluir o hip-hop porque colocaram os Racionais para tocar na Praça da Sé às 4 h da manhã depois de 5 anos que não faziam um show público, era claro que ia dar confusão. Foi um erro estratégico de quem colocou eles lá naquelas circunstâncias. Faz na Praça Charles Muller, é uma das maiores bandas do País. É falta de noção, de abraçar os movimentos todos da cidade."

Mariana. "Não sei se a Virada Cultural demonstra um interesse efetivo de dialogar com os movimentos artísticos e culturais."

Magnani. "Só que de repente tem que ver se eles também querem. Às vezes, esses movimentos têm uma leitura política, e essas pessoas querem marcar sua presença politicamente. Às vezes, para eles, entrar num negócio tão genérico assim como a Virada representaria um pouco perder sua ação política, a intenção de marcar propositivamente uma posição política. Fazemos uma arte que está vinculada a uma questão mais geral."

Youssef. "Talvez esse lado vanguardista de São Paulo, que é para mim o que faz a cidade ser bacana, a não inclusão é também uma não percepção da vocação da cidade."

Magnani. "Mas eu não sei se a Virada seria o lugar para a vanguarda. Esse tipo de experimento requer um pouco mais de cuidado. Ao colocá-lo numa geleia dessas, você termina diluindo, fazendo com que seja vista como uma coisa exótica. É uma coisa de vanguarda e que rompe padrões. Você faz com que isso acabe perdendo a sua força."

Vanguarda

Magnani. "O poder público é sempre conservador. Esperar que o poder público seja vanguardista seria querer demais."

Mesquita. "Talvez seja bom olhar o exemplo de Jacques Lang, que fez a Nuit Blanche, e que se tornou um produto de exportação: está em Toronto, na Europa inteira."

Youssef. "Eu não concordo que o poder público tenha de ser sempre conservador. Quando você tem algumas situações que são muito claras... Por exemplo, a revitalização do Baixo Augusta, os clubes, as galerias, a efervescência da noite, os pequenos ateliês, valorização dos imóveis. Tá todo mundo falando nisso, a Veja, o Estadão. E não existiu qualquer ação pública. Zero. Mesmo que a ação pública não seja de vanguarda, ela tem de aproveitar, potencializar as ações que estão acontecendo na cidade. Seja de qualquer ponto de vista. E não existe essa noção de aproveitamento."

Da grana

Mariana. "O discurso, quando se procura apoio para políticas culturais, é sempre esse: não há dinheiro. De repente aparecem R$ 8 milhões para a Virada, dois deles saídos da reforma da Praça Roosevelt, que é uma das ações de afirmação cultural mais efetivas da cidade."

Patrícia Barros. "Pensando na Virada como um grande evento, como um atrativo para turismo, investimentos: não seria interessante que fosse realizada com verbas de leis de incentivo, como a Lei Mendonça, e não com verba do tesouro? Porque existem verbas como a da Lei do Fomento, que vão construindo redes na cidade, a longo prazo, e precisam de incentivo, e nesse caso da Virada, há grande interesse do show biz, que poderia investir também."

Mariana. "A Barra Funda, onde está a Companhia de São Jorge, onde eu trabalho, vale a pena a gente se perguntar o que está por trás disso. Qual é o conceito de cidade que está por trás disso. Parece que é uma cidade empresarial, onde a arte é uma mercadoria, e nós que somos os fazedores da cultura, acabamos funcionando ingenuamente, ou às vezes oportunisticamente, como iscas. Que, afinal de contas, dialogamos com os travestis, os crackeiros, e ajudamos a estimular a especulação imobiliária. Por que não há mais diálogo?

O show deve continuar

ALEXANDRE YOUSSEF

PRODUTOR

"A gente não pode cair numa vala perigosa de negar o entretenimento, o lazer, o show, a efervescência, a maluquice, a vanguarda. O problema é que não há continuidade, não há capilaridade da gestão pública com os atores que fazem a cultura da cidade."

JOSÉ G. MAGNANI

ANTROPÓLOGO

"Não sei se a Virada seria o lugar para a vanguarda. Esse tipo de experimento requer mais cuidado. Ao colocá-lo numa geleia dessas, termina-se diluindo, fazendo com que seja vista como exótica. E é uma coisa que rompe padrões, e pode acabar perdendo sua força."

Onde está o dinheiro?

MARIANA SENNE

ATRIZ

"O discurso, quando se procura apoio no poder público para políticas culturais, é sempre este: não há dinheiro. De repente, aparecem R$ 8 milhões para a Virada, dois deles saídos da reforma da Praça Roosevelt, que é uma das ações de afirmação cultural mais bacanas."

PATRÍCIA BARROS

ATRIZ

"Não seria interessante que fosse realizada com verbas de leis de incentivo, como a Lei Mendonça, e não com verba do tesouro? Isso liberaria verba para ações que vão construindo redes na cidade, a longo prazo e, na Virada, há grande interesse do show biz."

QUEM SÃO

ALEXANDRE YOUSSEF

EMPRESÁRIO

CV: É dono do Studio SP, casa de shows no Baixo Augusta que ajudou a revitalizar a região e faz a melhor programação de rock indie do País. Foi curador do Agosto Negro, programa de hip-hop, coordenador da Juventude na gestão Marta Suplicy e também coordenou campanha de Soninha Francine.

MARIANA SENNE

ATRIZ

CV: Atriz e professora da Escola Livre de Santo André e integrante da Companhia São Jorge de Variedades, na Barra Funda, um dos novos espaços que ajudam a revitalizar um bairro. Em cena com um espetáculo de Heiner Müller, a ação se inicia em meio aos carros e transeuntes da região.

JOSÉ GUILHERME MAGNANI

ANTROPÓLOGO

CV: Doutor em antropologia, coordena o Núcleo de Antropologia Urbana da Universidade de São Paulo. Doutorado pela USP em 1982, Magnani tem 9 livros publicados. Orientou 22 dissertações de mestrado e 9 teses de doutorado, além de ter orientado 26 trabalhos de iniciação científica.

MOZART MESQUITA

PRODUTOR CULTURAL

CV: É dono da Brasil Image, produtora especializada em projetos de arte urbana. Entre seus projetos, está o de pôr instalações de landscape art em locais como o terreno de antiga favela na Ponte Julio de Mesquita Neto, plano do francês Jean-Paul Ganem (que foi amigo de Jean-Michel Basquiat).

PATRÍCIA BARROS

ATRIZ

CV: É atriz do grupo Folias D"Arte, que tem ênfase na crítica social. Atualmente, a trupe encena Êxodos - O Eclipse da Terra, sob direção de Marco Antonio Rodrigues. As aventuras narradas pelo anjo marinho Gabriel são o fio condutor do espetáculo, que está em cartaz durante a Virada Cultural.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.