Vitória da periferia

Mataram Meu Irmão, de Cristiano Burlan, foi o grande vencedor da competição brasileira no evento de documentários de Amir Labaki

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2013 | 02h13

Cristiano Burlan não sabe dizer se é cinéfilo, mas ama ver e discutir filmes com amigos e tem o sonho de fazer filmes até ficar velhinho. O É Tudo Verdade - Festival Internacional de Documentários tem sido uma de suas referências. Anos atrás, ele era garçom e Amir Labaki foi comer no restaurante em que trabalhava. Ele disse ao sr. It's all True que tinha o sonho de fazer um filme para passar no festival. "Então faça", Amir lhe respondeu. Em 2007, Burlan mostrou Construção no evento. Foi vaiado. "Se você acha que tem o que dizer, não desista", ele ouviu, a título de conselho, de Amir.

Burlan não desistiu e, no sábado, saboreou emocionado seu triunfo. Mataram Meu Irmão, seu documentário inspirado por uma tragédia familiar, venceu duplamente a competição brasileira do 18.º É Tudo Verdade. Ganhou o prêmio da crítica e o do júri oficial. Furlan lembrou essas histórias no Cine Livraria Cultura. Dedicou o filme ao irmão, vítima da violência na periferia de São Paulo. Falou, com simplicidade, da saudade que ainda sente dele. Há seis anos, Construção integrou a seleção da 12.ª edição do festival com Santiago, de João Moreira Salles. O repórter, naquele ano, juntou os dois filmes num texto que intitulou O filho do banqueiro e o filho do padeiro, Burlan lembrou-lhe isso no sábado à noite,

O filho do pedreiro chegou lá, e as vaias de 2007 transformaram-se em aplausos calorosos. Mataram Meu Irmão é forte, intenso. Como o norte-americano Alan Berliner, de Primo de Segundo Grau, e o alemão David Sieveking, de Não Me Esqueça, Burlan transforma uma dolorosa experiência de família em algo universal. Indagando-se sobre o envolvimento do irmão com drogas e o roubo de carros, ouvindo parentes e amigos, ele cria uma obra que se pauta pela multiplicidade de pontos de vista para tentar entender a violência que não cessa de fazer vítimas em São Paulo.

O júri oficial, integrado pelos diretores Matias Mariani, Marcelo Machado e Flávia Castro, também outorgou uma menção especial a Em Busca de Iara, de Flávio Frederico, sobre a companheira do mítico Lamarca, e o prêmio de melhor curta para Pátio, de Aly Muritiba, que aborda o sistema penitenciário do País. O júri internacional, formado por Stig Bjorkman, Peter Wintonick e Susana Sousa Dias, também entregou o prêmio principal e uma menção na categoria longas. O grande vencedor foi o documentário A Máquina Que Faz Tudo Sumir, do georgiano Tinatin Gurchiani. A menção foi para Uma Vez Entrei num Jardim, de Avi Mograbi, de Israel. O melhor curta foi Uma História para os Modlin, de Sergio Oksman, da Espanha (mas o diretor é brasileiro, e sonhava em ter um filme no É Tudo Verdade).

A Máquina Que Faz Tudo Sumir documenta jovens que atendem a um anúncio de filmagem. Por meio deles, o diretor dá seu testemunho sobre o que restou da antiga URSS e o naufrágio do império soviético. Amir Labaki, que comandou a cerimônia de premiação, ainda não tinha os números de público deste ano, mas arriscava num aumento de 15%. Mais público e uma seleção, a internacional, principalmente, melhor do que a de anos anteriores. No ano de sua maioridade, o É Tudo Verdade fez história.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.