Virou tema mundial

O mundo está em apuros? Chama o tal de rock"n"roll para salvá-lo. Muito além de um estilo musical, o ritmo que influenciou e influencia moda, estilo de vida, atitude e cheira a rebeldia jovem é historicamente convocado para combater guerras, fome, racismo. E, agora nos ecológicos tempos modernos, de desmandos ambientais. Esse é o mote pregado por este SWU, festival brasileiro que se pretende um Woodstock tupiniquim no espírito, adaptado aos anseios da nova era, a da sustentabilidade.

Lúcio Ribeiro, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2010 | 00h00

Enquanto a juventude frequentadora quer mais saber quais bandas irão tocar, que preço de estacionamento é aquele e por que aquela área vip antipática separando o palco dos "verdadeiros fãs", a organização do festival de Itu rebate sem parar que a questão da sustentabilidade é um "headliner" tão ou mais importante que o Rage Against the Machine ou o Linkin Park. E que a conscientização de fazer xixi no chuveiro para economizar a descarga da privada é uma ação tão ou mais importante que a compra de um ingresso para ver 74 bandas, a maior parte delas internacionais. Há um ruído filosófico de comunicação entre festival e público, mas a intenção de ambos por um final de semana feliz e instrutivo é boa, vá lá.

Outros grandes festivais modernos, tipo o americano Lollapalooza, levantam a bandeira ambiental, mas quase sem usar o discurso da conscientização imposta. O gigantesco evento de Chicago é o responsável o ano inteiro, por exemplo, pelo restauro, limpeza e manutenção do parque que ocupa em três dias do verão americano, geralmente em agosto. As ONGs ecológicas têm forte presença no festival. Incentiva o público a separar o lixo para reciclagem. O protocolo ambiental no Lollapalooza é bem cumprido, sem querer ser eco-chato.

Um dos principais encontros de jovens e música do mundo, o britânico Glastonbury Festival, que se instala por 3,8 km² em uma fazenda inglesa nos meses de junho, é o que mais se desenvolve no sentido ambiental e serve de espelho para a centena de festivais da Europa no verão.

 

Veja também

linkEnfim, uma bandeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.