Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Virada Cultural terá reforço de policiamento

Polícia Militar terá cerca de 960 agentes a mais nas ruas de São Paulo

Tulio Kruse, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2019 | 15h53

Atualizado às 17h49

A Polícia Militar colocará um total de 959 policiais a mais nas ruas além de seu efetivo normal, para a segurança da Virada Cultural, neste fim de semana. No total, o evento contará com 4,8 mil PMs no sábado e 5,2 mil no domingo, no que promete ser a maior edição dos últimos anos. São esperadas cerca de 5 milhões de pessoas nos dois dias de shows e atividades culturais.

O efetivo normal é de 3.886 policiais no sábado e 4.257 nos domingos, segundo a PM. A corporação não divulgou quanto foi o efetivo durante o evento no ano passado, mas diz que há aumento de cerca de 30% na região central, onde se concentram a maior parte das atrações.

São esperados cerca de 5 milhões de pessoas nos dois dias de shows e atividades culturais. A intenção de fazer "a maior Virada Cultural da história", servindo a Prefeitura, vem após dois anos em que o evento teve número de atrações reduzidas sob a gestão de João Doria (PSDB) na capital. Segundo o secretário municipal de Cultura, Alê Yousseff, essa mudança ocorre após a pasta criar um novo plano de Cultura da cidade sob a gestão de Bruno Covas, que identifica potencial econômico em atividades artísticas da capital.

"Por trás desse programa existe a constatação de que São Paulo tem uma vocação muito grande e especial para ser uma capital da cultura", diz o secretário. "Nossa cidade já mostrou que é um grande centro cultural, já realizou o maior carnaval do Brasil e tem potencial de realizar grandes eventos desse porte. Essa é a nossa vocação e esse é o caminho que vamos seguir."

Centro. A região do centro deve constar o maior púbico, onde haverá 25 pontos de policiamento poucos a áreas de concentração dos eventos. Entre eles, serão 22 bases comunitárias móveis e três postos policiais fixos na região do Vale do Anhangabaú, na Praça Roosevelt e no Centro de Operações da PM (Copom). Além do efetivo nesses pontos, haverá equipes em motocicletas e viaturas.

A PM decidiu ampliar os número postos de comando na região central, de um para três, após o balanço da operação na Virada Cultural no ano passado. Na ocasião, durante a madrugada entre os dois dias de evento, dos prédios da Polícia Civil foram pichados e pessoas subiram em cima de uma viatura da corporação.

"A gente trabalha com estimativas. Se não vierem 5 milhões,  se vierem 1 milhão de pessoas, o policiamento está previsto para 5 milhões", diz o coronel Telmo Ferreira Araújo, comandante da PM para a região do centro.

"A preocupação que nós temos com a Virada Cultural é porque é um evento de 24 horas, que entra madrugada adentro pela própria temática. Toda vez que temos uma concentração de público durante a madrugada, redobramos a atenção."

A operação de segurança da Virada também contará com o efetivo da Guarda Civil Metropolitana (GCM), que ainda não divulgou o número de efetivo dedicado ao evento, e um apoio especializado com Batalhão de Choque, cavalaria e agentes de trânsito. 

As PM e a GCM fazem, nesta terça-feira, 14, uma reunião com a Secretária Municipal de Cultura e com empresas de transporte da capital para acertar detalhes do evento deste fim de semana. Participam representantes do Metrô, da CPTM, da SPTrans, da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), da concessionária ViaQuatro (que opera a Linha 4-Amarela do metrô) e da Secretaria Municipal de Saúde.

Segundo a Secretaria de Cultura, haverá transporte 24h do Metrô e da CPTM diante a madrugada entre sábado e domingo. Os detalhes da operação de transporte, no entanto, só devem ser divulgados no fim da semana.

Tudo o que sabemos sobre:
Virada Cultural

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.