Vinho argentino procura reconhecimento

O vinho da Argentina ainda não tem o reconhecimento que merece. A indústria vinícola da região de Mendoza se modernizou aceleradamente nos últimos tempos, deixou parcialmente de lado os tintos e brancos grosseiros destinados ao consumo local e está multiplicando o número de vinhos bem feitos, de padrão internacional e que podem ser ótimos. Atualmente, os que mais impressionam são os tintos feitos com uvas Malbec (notadamente) e Cabernet Sauvignon e os brancos derivados da Chardonnay. Mas o leque está se abrindo, novas experiências estão sendo feitas e deveremos ter mais produtos de qualidade de outras uvas, como Tempranillo, Syrah, Bonarda e Tannat.As vinícolas argentinas tiveram de se adaptar às novas condições do mercado. Durante muito tempo, elas produziram mais para um mercado interno potente e nada exigente, que consumia com prazer vinhos rudes. As vendas internas mergulharam e os produtores começaram a pensar mais na exportação. O consumo médio por habitante por ano baixou de 96 litros, no fim da década de 70, para perto de 37 litros, atualmente.As vinícolas se modernizaram, muitas foram vendidas para grupos internacionais e também vários vinicultores de renome da Europa passaram a investir em terras na Provincia de Mendoza, que é a melhor e a mais importante produtora do país.Uma região quase desértica (150 a 200 milímetros de chuva por ano, menos que o deserto de Sahara), que vive graças às águas da cordilheira dos Andes, que em várias zonas aparece imponente, como uma belíssima moldura para a paisagem natural nada excitante, de plantas rasteiras, típicas de zonas secas. Apenas perto de 2% das terras da província de Mendoza são aproveitadas economicamente. Quando os espanhóis chegaram, já encontraram um sistema de irrigação construído pelos incas, que foi aperfeiçoado e funciona muito bem. Além disso, a Cordilheira garante a água subterrânea, que abastece milhões de poços artesianos usados para irrigação. Um bom poço pode irrigar perto de 50 a 60 hectares de vinhas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.