Villa no mundo da fantasia

A Menina das Nuvens marca retorno da ópera ao palco do Teatro Municipal

João Luiz Sampaio, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2011 | 00h00

A ópera volta domingo ao Municipal de São Paulo. Depois de quase três anos sem produções, por conta de uma reforma do prédio e do palco, uma montagem de A Menina das Nuvens, de Villa-Lobos, reinaugura a temporada lírica - e traz pela primeira vez a São Paulo uma das obras menos conhecidas do compositor.

Definida por Villa-Lobos com uma "aventura musical", A Menina das Nuvens foi escrita nos últimos anos de vida do compositor, morto em 1959; foi montada pela primeira vez em 1960, no Rio, com direção de Gianni Ratto, e depois esquecida, até que subiu ao palco do Palácio das Artes de Belo Horizonte em 2009, em produção dirigida por William Pereira e o maestro Roberto Duarte.

"O entusiasmo pela composição não arrefeceu nos últimos anos da vida de Villa", conta Duarte. "Desse período são obras de grande envergadura, que marcaram fortemente sua trajetória, como a Sinfonia n.º 12, a Fantasia Concertante e A Floresta do Amazonas, além da Menina das Nuvens", completa o maestro, que está à frente de um projeto de restauração e edição das obras de Villa em parceria com a Academia Brasileira de Música.

A Menina das Nuvens é baseada em texto de Lucia Benedetti, que assina o libreto original da ópera, e narra a história de uma menina que o vento levou com ele para viver no céu. Duarte conta que trabalhou, tanto em Belo Horizonte, em 2009, como em São Paulo com os manuscritos do compositor. "Fiz, na verdade, uma revisão no material manuscrito. O material de orquestra foi feito em sua maior parte pela sua eterna musa e companheira Mindinha. A diferença é que nesta produção em São Paulo teremos as partes das cordas já muito bem digitadas pelo arquivo musical. Mas, em resumo, meu trabalho de revisão foi o que normalmente faço em toda a partitura de Villa-Lobos, dirimindo dúvidas quanto à grafia e ajustando dinâmicas."

O maestro fez também alguns ajustes no libreto. "Ao comparar a partitura com a peça teatral de Lúcia Benedetti, ajustei certas passagens omitidas na ópera. Considerei importante a inclusão de pequenos trechos da peça para maior esclarecimento do enredo como o entreato entre o primeiro e segundo atos. Em certas passagens decidi repetir alguns compassos para dar maior flexibilidade cênica. Por fim, como esta ópera não tem uma abertura formal e sim alguns compassos que duram apenas 19 segundos, à guisa de introdução, considerei oportuno juntar alguns trechos de temas importantes da própria obra, mantendo exatamente o que Villa escreveu, criando assim uma introdução de mais de quatro minutos."

Nas récitas, Duarte estará à frente da Orquestra Sinfônica Municipal e de um elenco composto por destaques da ópera brasileira, como Gabriella Pace, Lício Bruno, Inácio de Nonno, Homero Velho, Regina Elena Mesquita, Flávio Leite, Fabíola Protzner, Silvia Tessuto, Adriana Clis, Giovanni Tristacci e Maíra Campos (bailarina solista).

A MENINA DAS NUVENS

Teatro Municipal. Praça Ramos de Azevedo, s/nº, tel. 3397-0327. 3ª e 5ª, 21 h; sáb. (13), 20 h; dom. (7 e 14/8), 17 h. R$ 15/ R$ 70.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.