Villa-Lobos inspira teatro de bonecos

A vida e a obra de um dos maiores compositores de música clássica brasileira, Heitor Villa-Lobos, acaba de ganhar uma livre adaptação para o teatro. O autor de diversas modinhas, cirandas e ritmos folclóricos, nascido no Rio de Janeiro em 1887, é o personagem principal do espetáculo infantil de bonecos O Trenzinho Villa-Lobos, da Cia. Articularte, que estréia no sábado, no Centro Cultural São Paulo (CCSP).Desde que surgiu, há dois anos, como resultado da parceria entre o ator e diretor Dario Uzam e da bonequeira Surley Valério, a Cia. Articularte desenvolve um trabalho de pesquisa e adaptação da vida de pessoas famosas. A primeira foi Tarsila do Amaral, que ganhou os palcos das principais capitais do País no espetáculo A Cuca Fofa de Tarsila. O que rendeu a Surley o Prêmio Panamco de Teatro 2000, pela criação dos bonecos.Para dar continuidade ao teatro de repertório, Uzam encontrou em Villa-Lobos o personagem ideal: "Brasileiro, de interesse comum e pouco explorado." Mistura de realidade e ficção, a peça conta as peripécias do garoto Heitor que ganha o apelido de Tuhu por reproduzir os sons mais engraçados e estranhos de coisas como, por exemplo, uma locomotiva. Ao som da peça musical O Trenzinho Caipira, o pequeno Tuhu viaja com a família de mudança para Minas Gerais. Admirado pela beleza do novo lugar, o menino apronta uma de suas malcriações e é colocado de castigo. "O difícil relacionamento com o pai Raul, severo e autoritário, mas também uma positiva influência musical, revela outras características do personagem", explica Uzam.Durante o castigo, Tuhu tem a visão de uma gigantesca maria-fumaça que faz desaparecer seu cachorro Bolinha. "Quando sai à procura do amigo, ele cai no mundo mágico do sonho e começa a viver num lugar diferente, habitado por seres musicais. Para encontrar Bolinha, o garoto recebe a ajuda de uma personagem alada chamada Solasi", conta o autor. Embalado ao som de obras como Bachianas, Uirapuru, Quarteto de Cordas, Pequena Suíte, Cirandas, Floresta Amazônica, entre outras composições, Tuhu fica encantado com a experiência que marca definitivamente seu futuro: "O de um grande gênio musical."Para a interpretação das peças de Villa-Lobos, o espetáculo conta com a participação ao vivo dos músicos Chico Botosso (violão e direção musical), Mariana Anacleto (violoncelo e voz) e Marcelo Seleguim (clarineta), além de apresentar alguns trechos em gravação digital. "A proposta foi conjugar movimentos da obra com as animações dos bonecos", diz Uzam. Já a iluminação e o cenário - representado com fundo preto e uma locomotiva - estão a cargo de Hernandes de Oliveira, que também pintou os bonecos e os adereços (em torno de 20 peças).Baseada na técnica japonesa bunraku, a manipulação dos bonecos é feita por cinco profissionais (Talissa Chiminte, Roberta Casa Nova, Zé Mario de Araújo, Rosangela de Mattos e Surley Valério), que se alternam numa encenação delicada e divertida. "Para conduzir o boneco Tuhu são necessários três manipuladores, por ele ser todo articulado", adianta o autor. "A fabricação dos bonecos levou quatro meses. Tudo é muito especial. Vale conferir." O Trenzinho Villa-Lobos. Sábado, domingo e feriado, às 16 horas. R$ 6,00. Centro Cultural São Paulo - Sala Paulo Emílo Salles Gomes. Rua Vergueiro, 1.000, tel. 3277-3611. Até 1.º/7.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.