"Vila Sésamo" completa 30 anos

Um pássaro grandalhão e muito atrapalhado fazia o sucesso da garotada brasileira há 30 anos. Era Garibaldo, o mascote da Vila Sésamo, seriado infantil inspirado no americano Sesame Street, criado em 1969 e no ar até hoje nos Estados Unidos, que na versão brasileira era interpretado pelo ator Laerte Morrone. Ao lado da professora Ana Maria (Sônia Braga), da dona-de-casa Gabriela (Aracy Balabanian), do trabalhador Juca (Armando Bogus) e do chofer Antônio (Flávio Galvão), os personagens da Vila Sésamo eram o que é hoje Xuxa. O programa ficou no ar até 1976, quando foi substituído por outro grande sucesso, o Sítio do Picapau Amarelo.Exibido pela TV Cultura durante o primeiro ano, o infantil passou a ser produzido e exibido pela Rede Globo no ano seguinte, e deu à televisão, que já era considerada uma "babá eletrônica", a missão de ser uma "pré-escola eletrônica", ensinando às crianças entre 2 e 5 anos noções básicas de higiene e alfabetização, entre outros assuntos. Muito antes de discutir o penteado de Cassandra com Miguel Falabella em Sai de Baixo, Aracy Balabanian vivia a simpática Gabriela, casada com Juca (Bogus), o faz-tudo da Vila Sésamo. A eles cabia a função de orientar as crianças da vila sobre todos os conceitos aplicados nas histórias, exibidas de segunda a sexta."Trabalhar em Vila Sésamo foi a chance que eu tive de fazer algo voltado exclusivamente para as crianças", costumava dizer Aracy Balabanian na época. A gratidão por ter participado da experiência também não foi esquecida quando ela e Bogus deixaram o programa, em 1974, para fazer novelas. "Vila Sésamo me forneceu material de pesquisa muito maior que as novelas. Exigia de mim uma participação não só apenas como atriz, mas também como gente", declarou a atriz. Bons Tempos - Em 1999, quando completava três décadas no ar, a TV Cultura resolveu reviver alguns de seus programas que marcaram época. Além de exibir antigas atrações como Fábrica do Som, Bambalalão e Quem Sabe, Sabe, a emissora também levou ao ar vários episódios de Vila Sésamo. O especial, chamado de Arquivo 30 Anos, era apresentado por Gastão Moreira, e no capítulo referente à Vila Sésamo, trouxe depoimentos emocionados de artistas que participaram e acreditaram no projeto, como o ator Laerte Morrone. "O Garibaldo foi o maior presente da minha vida. Era um boneco muito simples, comparado aos de hoje em dia. Me dava um calorão ficar com aquela roupa, mas era tudo muito gratificante. Acho que se o seriado voltasse a ser produzido, eu não suportaria ver outra pessoa interpretando o Garibaldo", dizia emocionado o ator. Na metade dos anos 90, a Bandeirantes chegou a declarar que estaria interessada em produzir novamente a série, que ainda sobrevive em vários países do mundo, mas a idéia não chegou a ser levada adiante. Atualmente, mesmo longe da telinha, os personagens da Vila Sésamo como Beto, Ênio, Elmo, Zoe, Come-Come e Garibaldo conquistaram um espaço inusitado dentro de um divertido país: o parque temático Hopi Hari, localizado em Vinhedo, interior de São Paulo. A escolha dos personagens como símbolos do parque foi resultado de pesquisas realizadas entre crianças e seus pais, antes mesmo do início das construções dos brinquedos. Três foram as opções para os temas: os personagens do Sítio do Picapau Amarelo, os do infantil Castelo Rá-Tim-Bum (exibido diariamente pela Cultura) e a turma de Vila Sésamo, esta última, a grande escolhida pelos entrevistados, principalmente, entre as crianças, que nem sequer eram nascidas quando a série foi exibida. A justificativa encontrada pelos representantes do parque foi a simpatia à primeira vista que as crianças sentiram pelos personagens, provavelmente assim como aconteceu com seus pais quando Vila Sésamo era sucesso na tevê.

Agencia Estado,

04 de fevereiro de 2001 | 23h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.