Fábio Motta/AE
Fábio Motta/AE

Vik Muniz expõe um recorte particular da história da arte

Em 'Verso', artista mostra sete peças que reproduzem a parte de trás de grandes obras da história da arte

Marina Vaz,

30 de julho de 2010 | 06h00

O primeiro museu visitado por Vik Muniz, aos 7 anos, foi o Masp. Na época, as obras eram expostas em painéis de vidro, projetados por Lina Bo Bardi, que permitiam ver o verso das telas. Agora, mais de 40 anos depois, o artista apresenta, na mostra Verso, sete trabalhos que reproduzem, com precisão, a parte de trás de grandes obras da história da arte, como Les Mademoiselles d’Avignon, de Picasso, O Ateliê Vermelho, de Matisse, e Samba, de Di Cavalcanti.

 

As cópias revelam detalhes como manchas da tela, carimbos e etiquetas de instituições, marcas de transporte e resquícios de restaurações. "A pintura em si todo mundo já conhece, mas a parte de trás é suja, é pobre; ela tem um pouco da atmosfera do estúdio do artista", explica Vik.

 

A produção das cópias envolveu cerca de 20 especialistas, incluindo técnicos da Pinacoteca do Estado e do Guggenheim (EUA). Ao ver a cópia do verso de ‘Starry Night’, de Vincent Van Vogh, ao lado do autêntico, o conservador-chefe do MoMA, de Nova York, não soube identificar qual era o original. A peça de Vik agora faz parte da coleção do museu.

 

Verso -  Galeria Fortes Vilaça. R. Fradique Coutinho, 1.500, Pinheiros, 3032-7066. QUANDO: 10h/19h (sáb., 10h/17h; fecha 2ª e dom.). Até 11/9. QUANTO: Grátis.

Mais conteúdo sobre:
Vik Muniz

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.