Vídeo de Cicarelli faz TJ pedir retirada do YouTube do ar

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo determinou nesta quarta-feira, 3, por liminar, que o site YouTube seja tirado do ar em todo o País. A decisão do desembargador Ênio Santarelli Zuliani é para punir a empresa por não respeitar a decisão da Justiça de retirar do ar o vídeo da modelo e apresentadora Daniella Cicarelli.A modelo foi filmada com o namorado Renato Malzoni Filho numa praia de Cádiz, na Espanha, no ano passado. Solteiro, Tato é sobrinho de Paulo Malzoni, presidente do Grupo Victor Malzoni, controlador da rede Shopping Plaza, de São Paulo. O vídeo começa com carícias apaixonadas na areia e acaba numa suposta cena de sexo no mar.As cenas foram divulgadas no YouTube e se espalharam pela internet. O casal entrou com duas ações na Justiça. Uma delas era indenizatória por danos morais e materiais contra as Organizações Globo de Comunicação, o IG Internet Group do Brasil Ltda e o YouTube Inc., na 25ª Vara Civil de São Paulo. Na outra ação o casal pedia que o vídeo fosse retirado do ar. O pedido foi acatado pela Justiça."Mas o YouTube foi a única empresa que não cumpriu a determinação da Justiça", diz o advogado Rubens Decoussau Tilkian, que representa Tato. Caso a empresa desrespeitasse a decisão, a multa prevista era de R$ 250 mil reais por dia.Calcula-se que o YouTube esteja devendo um valor aproximado de R$ 10 milhões. "A liminar determina o bloqueio dos internautas brasileiros até que a empresa retire o link do vídeo de Cicarelli", diz Tilkian.Para barrar os brasileiros será colocado um filtro no provedores das linhas americanas no País. No Brasil, o site foi comprado pelo Google, que não se responsabiliza pelas ações do YouTube nos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.