Vida dupla

Transexual é uma assassina na série Hit & Miss

MIKE HALE , THE NEW YORK TIMES , O Estado de S.Paulo

17 Julho 2012 | 03h10

Nos primeiros segundos da série britânica Hit & Miss, revela-se que um assassino encapuzado é na verdade uma linda mulher, história que a esta altura não surpreende mais o público. Mas este seriado que levar as coisas mais longe ainda. Depois de passar batom e trocar as placas de seu carro, a assassina tira a roupa, revelando mais dois detalhes: as impressionantes formas do corpo malhado de Chlöe Sevigny, e um pênis exibido com toda a clareza.

Assim, Hit & Miss, que estreia amanhã na TV americana, é sobre uma assassina que é também uma transexual à espera de uma operação de mudança de sexo. Mas o criador do programa, Paul Abbott, não para por aí. Poucos minutos depois, Mia, a personagem de Chlöe, recebe uma carta com a notícia de que uma ex-namorada morreu, incumbindo-a de tomar conta de suas quatro crianças, entre elas um filho de quem Mia nem tinha conhecimento de ser o pai.

Abbott disse em entrevistas que combinou dois projetos - um deles sobre um assassino profissional e o outro sobre uma mãe transexual - em Hit & Miss, algo que talvez explique por que o seriado resultante de seis episódios dá a impressão de ser uma tentativa fracassada de encaixar Traídos pelo Desejo dentro de O Quinteto. Depois que Mia viaja ao norte rural da Inglaterra para encontrar sua nova ninhada, os dois primeiros episódios são ocupados principalmente pelo batido drama de família pontuado por breves e elegantes cenas de assassinato, como pequenas e sangrentas notas de floreio musical.

O problema do novo programa de Abbott, ao menos nos seus primeiros episódios, não está em sua premissa, e sim na solenidade com a qual esta é abordada. Se a ideia é fazer um seriado a respeito de uma assassina transexual aprendendo a criar uma família numa fazenda acabada, certa dose de humor não faria mal. Mas Hit & Miss é tão lento, sério e professoral - várias cenas envolvem o jovem filho de Mia explorando sua própria identidade sexual ao experimentar um vestido e outros adereços - que boa parte do programa parece ser produzida com extrema cautela, e uma risadinha constrangida parece ser a resposta adequada. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.