Victoria´s Secret chega à TV com desfile de polêmicas

Foram os US$ 7 milhões mais beminvestidos da história da Victoria´s Secret. A grife delingeries exibe hoje na TV americana, sob uma avalanche depolêmicas, o desfile realizado na semana passada em Nova York,em que Gisele Bündchen virou alvo de críticas dos ambientalistasda People for the Ethical Treatment of Animals (Peta). A marcatambém vem sendo criticada por grupos feministas e o resultado,claro, é muita publicidade grátis para a empresa que, em geral,tem 35% de seus lucros concentrados na época do Natal.Este é o segundo desfile da Victoria´s Secret a ser exibido natelevisão ? os anteriores causaram históricos congestionamentosna internet e, no ano passado, a transmissão na TV já haviaimpulsionado protestos de grupos conservadores, que acham que oevento nada mais é do que pornografia disfarçada de propaganda.Polêmicas à parte, o programa atraiu mais de 12 milhões detelespectadores.Desta vez, o desfile ganhou o impulso do protesto da Peta ?ativistas com cartazes subiram à passarela para criticar GiseleBündchen, que fez recentemente o anúncio de uma marca de casacosde pele -, que garantiu a cobertura em toda a imprensaamericana. A modelo brasileira também se beneficou do incidente:apareceu em programas de TV mainstream falando sobre seuprofissionalismo e conseguiu abafar o caso. A Peta, que não vemsendo vista com muita simpatia nos últimos tempos, tambémconseguiu mais alguns minutos de fama.A estimativa da Victoria´s Secret é que o investimento de US$ 7milhões no evento (que inclui cachês para atrações comoDestiny´s Child, Marc Anthony e Phil Collins) se transforme emlucros de pelo menos US$ 35 milhões. Mas, graças ao clima decontrovérsia, o valor ainda pode aumentar ? algo ainda maisimpressionante em época de economia incerta.A polêmica adicional vem das organizações Concerned Women forAmerica, National Organization for Women e Parents TelevisionCouncil, que enviaram uma carta para a rede de TV CBS pedindo ocancelamento da transmissão. Entre acusações de "degradação damulher" e "sexualização da cultura americana", os gruposficam especialmente incomodados com o fato de que o programaestá marcado para o horário nobre."O evento é apenas um desfile de modas, misturado com shows etrechos de comédia", disse um porta-voz do canal, lembrando queo Federal Communications Commision fez uma investigação sobre aedição do ano passado e concluiu que não há nenhuma violação deregras. Alguns canais de mercados mais conservadores resolveram,no entanto, exibir o programa apenas depois da meia-noite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.