Victoria´s Secret atende pedidos de ambientalistas

Ambientalistas cantaram vitória na quarta-feira, quando a editora do catálogo da grife Victoria´s Secret concordou em não usar papel originário de uma área do oeste do Canadá habitada pelo rebanho de caribus, animais ameaçados de extinção.A varejista americana Limited Brands também concordou em aumentar a quantidade de papel reciclado em todos os catálogos e elevar os critérios ambientais que exige do papel que compra, produzido a partir de madeira das florestas boreais que se estendem pelo norte do Canadá.A Victoria´s Secret foi alvo de uma campanha de relações públicas que durou dois anos, movida por grupos ambientalistas que diziam que o uso intensivo de papel feito com fibra de madeira virgem está destruindo um ecossistema necessário para desacelerar o aquecimento do planeta.A Victoria´s Secret distribui mais de 360 milhões de catálogos por ano para divulgar seus produtos de lingerie.Os grupos ambientalistas, que haviam apelidado a campanha de "Victoria´s Dirty Secret" (O Segredo Sujo de Victoria), repudiam especialmente a atividade de extração de madeira nos contrafortes das Montanhas Rochosas na província de Alberta, Canadá, que é o habitat natural do caribu.Os caribus canadenses, semelhantes às renas européias, somam cerca de 184 mil animais, e o governo federal os considera em risco de extinção. Os rebanhos individuais precisam de 9 mil quilômetros quadrados, em média, para poder sobreviver.A Limited Brands concordou ainda em não comprar produtos da empresa canadense de madeira, celulose e papel West Fraser Timber Company, que possui operações grandes de extração de madeira nos contrafortes de Alberta.Ambientalistas dizem que a floresta boreal, ou do norte, desempenha papel crítico na saúde ambiental do planeta, na medida em que é um dos maiores sumidouros globais de carbono, que pode ser liberado novamente na atmosfera por atividades de extração de madeira, mineração e produção de energia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.