Imagem Lúcia Guimarães
Colunista
Lúcia Guimarães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Vadiagem produtiva

De Nova York

Lúcia Guimarães, O Estado de S.Paulo

03 Abril 2017 | 02h00

“Estou numa reunião”, diz a mensagem de texto. “Ele está em reunião”, diz um assistente ao telefone. “Amanhã não dá porque tenho duas reuniões seguidas.” Tenho um leve choque cultural cada vez que viajo ao Brasil. Meus parentes e amigos estão sempre numa reunião. E seus dias de trabalho são mais longos do que os de profissionais que conheço em Nova York. Fiz uma pesquisa informal entre os reféns das reuniões intermináveis e colhi a mesma impressão: as reuniões são longas, com pouco foco e, frequentemente, poderiam ser substituídas por uma troca de e-mails. 

Ofereço dois nomes: Charles Darwin e Ingmar Bergman. Por que citar juntos o pai da Teoria da Evolução e o grande cineasta do século 20? Gênio, será a resposta mais provável. Um exame das duas biografias revelaria também ambição e paixão pelo que faziam. Os dois homens que mudaram, um a história da ciência, o outro, a história de uma arte, tinham algo mais em comum. Ambos trabalhavam poucas horas por dia, apesar de terem deixado uma produção copiosa.

Nossa cultura de conexão eletrônica incessante enfrenta a angústia da invasão do trabalho na vida pessoal. Um autor americano, Alex Soojung-Kim Pang, diz que algumas grandes figuras históricas devem ser objeto de atenção não apenas pelas suas conquistas, mas também pela maneira como descansavam.

Charles Darwin sentava à mesa do escritório às 8 da manhã. Pesquisava, lia correspondência, escrevia cartas. Ao meio-dia, declarava, “tive um bom dia de trabalho”. Depois de almoçar, tirar uma soneca, e caminhar, Darwin passava, se tanto, mais uma hora no escritório, antes do jantar.

Ingmar Bergman dizia que precisava de rotina. Caminhava, comia e lia no mesmo horário. Tempo dedicado a trabalhar nos roteiros, peças e livros? Não mais do que três horas por dia.

Estas e outras histórias estão no livro Rest, Why You Get More Done When You Work Less (Descanso, Por Que Você Faz Mais Quando Trabalha Menos), de Alex Soojung-Kim Pang, um veterano do Vale do Silício e fundador da Restful Company, uma consultoria que examina o problema do excesso de trabalho e seu efeito na produtividade. Ele diz que pessoas talentosas que se mostram produtivas vão longe, não apesar do lazer e do descanso, mas por causa deles.

O aumento da instabilidade no emprego e os gadgets digitais nos tornaram mais inseguros sobre o direito de desligar. Na década de 1950, uma pesquisa feita num instituto de tecnologia do Estado de Illinois mostrou que os cientistas mais produtivos, os que publicavam mais artigos, passavam uma média de 20 horas por semana no local de trabalho. Os que passavam 35 horas publicavam menos. Os piores, em matéria de produtividade? Os que trabalhavam 60 horas por semana.

Diversos profissionais e artistas citados no livro de Alex Soojung-Kim Pang revelam preferência similar por manter uma rotina e se proteger de distrações. Não é coincidência que a era mais infestada por distrações na história da humanidade seja uma era de dias de trabalho cada vez mais longos. O sucesso, diz o autor, está na constância da “prática deliberada” que é feita com foco, estrutura e clareza de objetivos. Pode ser o atleta que não deixa de acordar cedo para nadar. Ou um amigo compositor que me mostrou um chapéu em cima do piano cheio de pedacinhos de papel, cada um com uma clave musical. Todo dia, ele sorteava uma e se obrigava a compor naquela clave por 40 minutos. 

Mas a prática deliberada é um esforço que deve ser limitado. Se não praticar, afasta as chances de sucesso, praticar demais aumenta as chances de fracasso. É uma noção especialmente importante para determinar as horas de estudo extraescolar e preparação para testes. Alex Soojung-Kim Pang diz que é preciso distinguir entre disponibilidade de tempo e disponibilidade mental e física para dedicar a um esforço. Ele cita outro estudo, feito nos anos 1980, entre violinistas no conservatório de Berlim. Os violinistas de menos sucesso subestimavam o número de horas dedicadas ao descanso e lazer. Os mais bem-sucedidos respondiam com precisão sobre a distribuição do tempo entre descanso e trabalho. Ou seja, seu descanso era mais consciente e deliberado.

Mais ócio e menos reuniões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.