Viagem espiritual na dança moderna de Taiwan

Com três toneladas de arroz dourado, movimentos baseados no tai chi, nas artes marciais e em práticas religiosas asiáticas, o grupo de dança Cloud Gate, de Taiwan, estará no Teatro Alfa, em São Paulo, de amanhã a terça-feira, introduzindo o público brasileiro à sua emocionante beleza. Criado e dirigido por Lin Hwai-min, apontado por críticos como o melhor coreógrafo do século 20, o Cloud Gate apresenta Canções dos Peregrinos, uma jornada espiritual com mapa esboçado em Sidarta, livro do alemão Herman Hesse, e na própria viagem de Lin a Bodhgaya, lugarejo ao norte da Índia onde nasceu o budismo.Esta primeira temporada do grupo no Brasil termina sua turnê internacional deste ano, que incluiu países como Singapura, Coréia, Alemanha, Noruega, Austrália e Estados Unidos. Entre julho e setembro, para comemorar seu 30.º aniversário de fundação, ele se apresentou em dezenas de cidades taiwanesas, onde chegou a atrair 60 mil pessoas debaixo de chuva para assisti-lo. A prefeitura de Taipé oficializou 21 de agosto, data da estréia das apresentações de aniversário na capital, como Dia do Cloud Gate, e renomeou a rua onde a companhia tem sua sede como Cloud Gate Lane. Isso significa muito num lugar onde a maioria dos endereços trazem nomes de cidades chinesas ou de presidentes americanos.Lin Hwai-min estudou movimentos da ópera chinesa em Taiwan, dança moderna em Nova York e dança clássica de corte no Japão e na Coréia. Em 1973, fundou a primeira companhia de dança contemporânea de toda a China. Em entrevista ao Estado na semana passada, quando a companhia se apresentava no Next Wave, festival da Brooklyn Academy of Music, em Nova York, LinCanções dos Peregrinos foi criada em 1994, logo depois que o coreógrafo voltou de uma viagem a Bodhgaya, o mais antigo centro de peregrinação da Ásia. Às margens do Rio Neranjra, este é o lugar onde Sidarta Gautama, o Buda, encontrou a iluminação espiritual. ?Era a época das monções, o rio estava cheio, mas a superfície dele parecia um tapete?, lembra Lin. ?O rio correndo ali por tantos séculos me fez pensar sobre o tempo. Canções é um trabalho sobre a serenidade do rio, o ascetismo e a busca da quietude.?Comparando o corpo com um rio tranqüilo na superfície e pesado de lama no fundo, Lin desenhou movimentos lentos que enfatizam a respiração, começam no centro do torso e projetam-se por todos os músculos, até os do dedo mínimo do pé. As frases da coreografia de Canções dos Peregrinos são simples porque acompanham a simplicidade das músicas folclóricas da Geórgia que Lin escolheu para trilha desse trabalho. ?Quem as ouve pela primeira vez pode pensar que são canções indianas ou persas. Mas essa é a qualidade espiritual da música, pois as letras falam de coisas do cotidiano, como pescar ou comer?, explica o coreógrafo. ?Nossa intenção é deslizar no rio da música.?Canções dos Peregrinos, com a Could Gate Dance Theatre. Duração 1h30. Direção Lin Hwai-Min. Sábado, segunda e terça, às 21h; domingo. às 18h. De R$ 40,00 a R$ 80,00. Teatro Alfa. Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, tel.: 5693-4000. Estréia prevista para este sábado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.