Veterano da TV lança livro de poesia

Geraldo Casé é um artista múltiplo:desenha, escreve, compõe, produz e dirige programas detelevisão. Além disso, foi dono de restaurante, teve uma boate,trabalhou como locutor de rádio e comandou um grupo de teatro debonecos. Se ainda não bastasse, participa de uma dinastiacultural: é filho de Ademar Casé, um dos pioneiros do rádiobrasileiro, e pai de Regina, uma das atrizes mais conhecidas daatualidade. "Apesar de atividades tão distintas, uma coisa asunia: minha paixão pela poesia", comenta ele, que, próximo decompletar 75 anos, publica seu primeiro livro de poemas, UmDia Fui Pássaro (Editora Expressão e Cultura, 95 páginas, R$25), que será lançado nesta quinta-feira, a partir das 19 horas, nalivraria Fnac (Avenida Pedroso de Morais, 858). São poesias escritas ao longo da vida, cuidadosamenteguardadas. "Selecionei desde textos compostos há 50 anos comoalguns que escrevi no ano passado", conta Casé, atual diretorartístico da divisão internacional da Rede Globo. "A poesiaestá na raiz da minha existência." O lançamento do livro,ilustrado com desenhos feitos por ele mesmo, contará com aexibição de um vídeo no qual Maria Bethânia, Renata Sorrah,Haroldo Costa e Regina Casé declamam algumas das poesias. Geraldo Casé conta que as influências são muitas e vãodesde as leituras apaixonadas (Manoel de Barros, Carlos Drummondde Andrade e uma seleção de poetas portugueses, encabeçada porFernando Pessoa) até a íntima convivência com Vinícius de Moraes,que freqüentava sua casa. "Além dele, que foi muito importanteem minha formação, não posso esquecer de grandes músicos comoNoel Rosa e Pixinguinha, que me chamava de afilhado e com quemconvivi." Malandragem - Trabalhar diretamente com poesia, noentanto, aconteceu em poucas ocasiões. Uma delas foi um programa quedirigiu na tevê Excelsior do Rio de Janeiro, na década de 60,estrelado por Nathalia Timberg. "Eram cinco minutos em que eladeclamava poemas famosos e que eu, malandramente, aproveiteipara divulgar algumas das minhas criações", diverte-se Casé. Sua trajetória, aliás, confunde-se com a história datelevisão brasileira. Em 1949, ou seja, um ano antes de o novoveículo ser lançado no País, Casé estava nos Estados Unidos e,apaixonado pelo novo meio de comunicação, voltou com um aparelhoda marca Emerson na bagagem. Depois de criada a TV Tupi, aprimeira emissora nacional, ele criou, junto do pai, umapioneira agência de produção para a televisão. "Eu já acumulavauma boa experiência no rádio", conta ele, que, além de locutor,trabalhou como autor, diretor e sonoplasta. Na televisão, seu primeiro grande sucesso foi o Noitede Gala, programa de variedades exibido pela TV Rio àssegundas-feiras. A audiência era tamanha que os cinemas dacidade foram obrigados a não funcionar naquele dia, por falta depúblico. Outro trabalho marcante foi a versão do Sítio doPicapau Amarelo, exibido pela Globo entre 1977 e 1986, um dosprincipais programas infantis já exibido pela televisão."Fizemos uma vasta pesquisa pedagógica, a fim de preservar asprincipais características da obra do Monteiro Lobato", contaCasé, que, entre outros cuidados, promoveu a exclusão do hífen dapalavra "pica-pau" para evitar trocadilhos indesejados. Alémde comandar o projeto, ele também compôs canções para o programa em parceria com Dori Caymmi, com A Cuca te Pega eQuindim. A música, aliás, deixou marcas profundas em sua históriapessoal. Nos anos 60, montou uma boate, Rui Barbossa, emCopacabana, que foi inaugurado com um show de Maria Bethânia. Aapresentação foi interrompida, porém, por um incêndio. Apesar detrágico, o fato hoje é lembrado com gargalhadas por Casé, que,graças ao seu bom humor, batizou o grupo teatral Asdrúbal Trouxeo Trombone, do qual participou sua filha, Regina. A expressão era, na verdade, um código que ele mantinhacom Regina: quando surgia alguma pessoa inconveniente duranteuma festa, Geraldo diziaL: "Olha, o Asdrúbal trouxe o trombone".Era a senha para ir embora. Contos - Além do livro de poesias, Geraldo Casé pretendelançar outros dois livros de contos. Um deles é, na verdade, umareedição - Histórias de um Menino reúne contos com meninosfamosos, como Jesus. "São histórias simples que,espero, promovam uma relação menos violenta com a criança dehoje", conta. Ele pretende ainda terminar o livro Quando os Rostosse Iluminam - A História da Versão do Sítio do Picapau Amarelo1977-1986, que escreve em parceria com Wílson Rocha. São osbastidores do programa, desde a sua concepção até detalhescuriosos da produção _ como o trabalho de três atrizes (DirceMigliaccio, Remy de Oliveira e Suzana Abranches), que serevezaram no papel da Emília. "Trata-se de um dos principaispersonagens, mas não era fácil para elas se ocultarem debaixo deuma maquiagem tão pesada, que praticamente as deixavairreconhecíveis."Serviço - Um Dia Fui Pássaro. De Geraldo Casé. Editora Expressão& Cultura. 91 páginas. R$ 25,00. Amanhã (04), às 19 horas. Fnac.Avenida Pedroso de Morais, 858, zona oeste de São Paulo, tel.3097-0022

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.