"Vestir o Pai" estréia com direção de Paulo Autran

Com mais de 50 anos dedicados ao ofício do ator, Paulo Autran é hoje reconhecido nos quatro cantos do Brasil como um talentoso homem de teatro - foram raras suas participações no cinema e na televisão e já como ator de prestígio nacional, conquistado nos palcos. Aos 80 anos, dificilmente seria criticado se desse por encerrada sua contribuição ao teatro brasileiro e passasse a usufruir, confortavelmente, da imagem de ´ator consagrado´. No entanto, ´deitar sobre a fama´ não está em seus planos. Como ator, está à procura de um novo texto para interpretar. Como diretor, investe seu prestígio na peça de um autor da nova safra de dramaturgos que vem se afirmando no panorama teatral. Autran é o diretor de Vestir o Pai, peça inédita do jornalista Mário Viana - premiada em dois concursos de dramaturgia, em São Paulo e Porto Alegre - que estréia hoje no Centro Cultural Banco do Brasil com Karin Rodrigues, Leona Cavalli e Otávio Martins no elenco. Viana não é um marinheiro de primeira viagem. Com a estréia de Vestir o Pai, três peças de sua autoria estarão em cartaz na cidade, somando Carro de Paulista e Um Chopes, Dois Pastel e Uma Porção de Bobagens. Mas evidentemente, como impulso para sua carreira, a montagem de Vestir o Pai tem peso diferente. "Não é um questão de evolução, não é a palavra, mas ter uma peça dirigida por Paulo Autran é como passar para uma outra ala do mesmo clube, tudo é feito de uma forma diferente", observa o autor. Autran define como comédia amarga a peça que leu pouco depois de ter sido entrevistado por Mário Viana. "Paulo deixou um recado na secretária eletrônica dizendo que tinha sido uma ´agradabilíssima surpresa´ ler minha peça", lembra Viana. "Vestir o Pai é uma comédia ácida, bem escrita, com personagens bem definidos e criada a partir de um ângulo original", define Autran. O ponto de partida é a iminente morte de um pai de família. Mãe e casal de filhos estão reunidos para ´o último ato´, apontado no título. Toda a ação se passa no quarto do casal onde a mãe Alzira (Karin) e os filhos Regina (Leona) e Júnior (Otávio Martins) escolhem a roupa que o pai vai usar no caixão, enquanto o próprio, pode-se ouvir, geme no quarto ao lado. A partir daí, o tom é de humor negro.Leia maisVestir o Pai. De Mário Viana. Direção Paulo Autran. Duração: 70 minutos. De quinta a domingo, às 19h30. R$ 15,00. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Álvares Penteado, 112, tel. 3113-3651. Até 1.º/6. Estréia hoje para convidados e amanhã para público.Carro de Paulista. De Mário Viana e Alessandro Marson. Direção Jairo Mattos. Duração 60 minutos. Sexta e sábado, às 21 horas; domingo, às 20 horas. R$ 5,00 (sexta) e R$ 10,00. Centro Cultural São Paulo - Sala Jardel Filho. Rua Vergueiro, 1.000, tel. 3277-3611. Até 1.º/6. Estréia sábado.Um Chopes, Dois Pastel e Uma Porção de Bobagens. De Mário Viana, Direção Hugo Possolo. Terça, às 22h30. R$ 15,00 + R$ 10,00 (consumação mínima). N.Ex.T. Rua Rego Freitas, 454, tel. 3106-9636. Até 24/6

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.