Divulgação
Divulgação

Versão brasileira de 'In Treatment' estreia nesta segunda-feira, 01

Com direção de Selton Mello, 'Sessão de Terapia' vai ao ar às 22h30 no canal GNT

FLAVIA GUERRA - O Estado de S.Paulo,

01 Outubro 2012 | 03h06

Como em uma tradicional sessão de terapia, o formato é simples, mas eficaz. De segunda a quinta, o terapeuta Theo Cecatto recebe um paciente. Na sexta, é ele quem vai ao divã. Versão brasileira da série israelense Be Tipul, criada por Hagai Levi, Sessão de Terapia estreia hoje, às 22h30 no GNT. Sucesso imediato em Israel, a ideia ganhou adaptações em vários países, mas alcançou fama mundial com a versão americana In Treatment, com Gabriel Byrne no papel de Theo.

No Brasil, é Zécarlos Vasconcelos quem vive o papel do terapeuta. Ironicamente, o ator nunca fez terapia. "Mas sou casado com uma psicóloga. Sempre estive próximo a este universo. Para ser sincero, a série me deu vontade de começar a fazer", contou o ator em entrevista ao Estado.

Curiosamente, Selma Egrei, que vive Dora Aguiar, a terapeuta de Theo, não só não faz terapia como diz não gostar muito de psicanálise. "Para mim foi um conflito enorme interpretar uma psicanalista. Sou terapeuta corporal. Respeito a psicanálise, mas acredito mais quando a gente vence um problema ao nos voltarmos para nós mesmos, sem depender de ajuda externa. Graças à sensibilidade que o Selton tem como ator, ele me ajudou muito e me fez crescer ", afirmou Selma.

O que poderia parecer uma contradição se revela, na verdade, um dos pontos mais interessantes do caldeirão de talentos e linhas de pensamento da equipe e do elenco de Sessão de Terapia. Com direção de Selton Mello, é justamente este caldo heterogêneo que dá à série o ingrediente "real" para que, além da qualidade técnica que transparece na tela, os episódios desta primeira temporada sejam verdadeiros o suficiente para que o espectador veja não atores, mas sim seres humanos às voltas com seus dilemas tão simples e complexos quanto os de qualquer pessoa comum.

Maria Fernanda Cândido, que abre a série hoje, está despojada na medida certa no papel da médica Júlia Rebelo. Dona de beleza lindamente fragilizada, ela se revela um perigo para Theo ao contar ele que está apaixonada por ele. A semana de Theo fica mais difícil quando, na terça, encontra o atirador de elite Breno Dantas (Sergio Guizé) que, em uma ação em Heliópolis, matou uma criança acidentalmente. Ele entra pela porta do consultório despejando raiva e dúvida em relação à competência de Theo. Na quarta, Nina Vidal (a estreante Bianca Muller) é uma ginasta que acaba de sofrer um acidente do qual não se lembra. Ela não se relaciona bem com os pais nem com os amigos. Na quinta, Ana (Mariana Lima) e João (André Frateschi) formam um casal às voltas com uma gravidez desejada por ele e indesejada por ela.

Na sexta, carregando esta carga absorvida durante a semana, Theo se vê no papel de paciente. "Os problemas dos outros personagens, de certa forma, também são problemas do Theo. É impossível não associar as questões do consultório com suas questões pessoais", diz Zécarlos. "Por exemplo, a Nina tem projeções com o pai. Theo também tem problemas com a filha. O casal Ana e João está em crise. E ele não anda em uma boa fase com a mulher (Clarice, vivida por Maria Luísa Mendonça)", acrescenta.

Para o ator, aí reside a nobreza da obra. "Se a série servir para abrir canais de percepções na vida da gente, que é para o que serve a terapia, já vai ter valido a pena."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.