Versace vem em versão compacta

As coleções de Outono/Inverno 2001 estão tão globalizadas que, mesmo num verão tropical como o nosso, é possível vestir um Versace, conforme mostrou o desfile da grife, na terça, no QG de Janete Boghosian, representante da marca no Brasil.Não é para menos. Quando o faturamento anual de uma empresa alcança US$ 1 bilhão e a quantidade de lojas monomarca chega a quase 200, mesmo se você se chama Donatella Versace, não dá para brincar em serviço. Sob a batuta da produtora Iza Smith, uma síntese bem-elaborada da coleção original foi desfilada em clima maison para um grupo de clientes. O que mais chamava atenção era a comercialidade das peças.O desfile abriu com um nada politicamente correto, mas lindo(!), casaco de raposa em tom salmon, com o qual Gisele desfilou em Milão, e aqui foi vestido por Elisa B., namorada de Luciano Szafir. A entrada seguinte ficou com Giane Albertoni no mesmo vestido branco de jersey elegantíssimo (e discreto) que levou a top russa Carmen Kass a ser aclamada como a melhor modelo do ano no último VH1/Vogue Fashion Awards. A seguir, o que se viu foi uma reedição dos anos 70 ? até aí nada de novo. Aliás, a novidade estava mais no penteado, alto e desfiado com as madeixas nos ombros, que no estilo das roupas apresentado. Mas o clima chique ? e usável ? das grandes panteras daquela década, a morena Carmem Mayrink Veiga e a louríssima Sylvia Amélia, a Baronesa de Waldner, arrasou. No masculino, outro acerto por parte da equipe brasileira da Versace. Além de ter escolhido o nadador Xuxa, corretíssimo na passarela, a coleção com clima gay (ou de garoto de programa?) que fora apresentada em Milão, aqui foi reduzida às peças mais tradicionais, exatamente o que o homem que compra Versace quer: o tradicional com clima moderno. Versace - R. Bela Cintra, 2.209, tel.: 3083-7936. Preços a partir de R$ 380

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.