Vermelho de Valentino aparece na estréia de Facchinetti

Alessandra Facchinetti estreou naquinta-feira no trabalho que é provavelmente o mais difícil domundo da moda, apresentando sua primeira coleção para aValentino desde que o mestre estilista se retirou de cena, emjaneiro, após 45 anos. E, numa decisão provavelmente sábia, a ex-estilista daGucci, 35 anos, não se afastou muito do caminho que fez deValentino um favorito de gerações de mulheres glamurosas, desdeJacqueline Kennedy Onassis até Julia Roberts. Babados, laços e vestidos vermelho-batom -- algumas dascaracterísticas próprias de Valentino ao longo de décadas --apareceram no desfile, ao lado de desvios modernos com saias devolume e elegantes terninhos pretos. Em seu desfile, que aconteceu numa passarela inteiramentebranca no Palais de Chaillot, perto da torre Eiffel,Facchinetti também se manteve fiel ao lendário gosto deValentino pelo espetáculo. De maneira geral, porém, optou portonalidades mais moderadas de preto, marinho e bege. A atriz Winona Ryder, na primeira fileira do público,considerou o desfile "lindo". Outra presença na primeirafileira foi Giancarlo Giammetti, o sócio comercial de ValentinoGaravani durante muitos anos, que deu sua bênção à coleção echamou a atenção para sua "elegância, qualidade e leveza". Suceder a Valentino é difícil devido ao status de ícone doestilista e porque a indicação é vista como teste, num períodoem que várias maisons vêm trocando de estilistas em poucastemporadas. No backstage, após o desfile, Facchinetti comentou que "oDNA da maison nunca vai mudar, apenas o ponto de vista, e issonos permitirá fazer coisas novas". As dificuldades enfrentadas por quem toma o lugar de umestilista considerado uma lenda estiveram em destaque nestatemporada. O estilista Gianfranco Ferre morreu repentinamente no anopassado. Na semana passada, sua maison apresentou uma coleçãode qualidade desigual em Milão, depois de o estilista escolhidopara substituir Ferre renunciar ao cargo um mês antes dosdesfiles, em função de "divergências criativas" com a direçãoda casa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.