Divulgação
Divulgação

'Vermelho Amargo' narra vida de garoto que perdeu a mãe

Livro autobiográfico de Bartolomeu Campos de Queirós tem texto de tirar o fôlego

AE, Agência Estado

02 de maio de 2011 | 11h02

Depois de perder a mãe, um menino passa a infância a conviver com a lembrança que ela deixou pela casa. Lembra do jeito generoso que ela cortava tomates e do carinho que lhe tinha. Com a saudade enterrada na alma, observa os irmãos lidarem com a falta. Um deles come vidros. Outra, borda sem parar. O menino em questão é o escritor mineiro Bartolomeu Campos de Queirós, 66 anos, que revisita a própria infância na novela de cunho autobiográfico Vermelho Amargo, que acaba de ser lançada pela editora Cosac Naify.

"Não existe memória pura. O livro foi feito do que vivi e do que inventei", conta Queirós. O escritor tem mais de 40 obras publicadas - algumas traduzidas para o inglês, o espanhol e o dinamarquês. Em 2003, recebeu o prêmio O melhor da Literatura Infantil, da Academia Brasileira de Letras, por Até Passarinho Passa. Venceu o prêmio Jabuti 2008 na categoria melhor livro infantil com Sei por Ouvir Dizer. E, no ano passado, foi finalista do Hans Christian Andersen, principal premiação internacional para a literatura infantil e juvenil. Vermelho Amargo, com suas 65 páginas contundentes, chega, porém, com força na literatura brasileira contemporânea destinada a adultos.

Por meio de uma prosa poética, o autor consegue falar de sentimentos dilacerantes com uma delicadeza e sensibilidade que conferem mais peso ao que é dito. "Escrevi a obra em seis meses, escolhendo cada palavra, em sua sonoridade e dimensão", conta.

Isso fica patente na construção dos parágrafos que poderiam, perfeitamente, serem poesias independentes do conjunto da obra. Mesmo fortes o suficiente para desgarrarem-se da história, é a união desses parágrafos/poesias que rouba o fôlego do leitor. Queirós não dá respiro e sua narrativa também poderia ser considerada um ensaio sobre a dor e a capacidade de amar.

Há um paralelo possível entre este trabalho e outros livros consagrados, apesar do autor negar tais influências. Vermelho Amargo lembra o escritor Graciliano Ramos em Infância, que conta a história de um menino que sofre a falta do amor da mãe. Também traz à memória a profundidade e a maneira de abordar os temas familiares do escritor Raduan Nassar, em Lavoura Arcaica. Mas, independentemente desses pontos convergentes, a obra de Queirós apresenta um caminho próprio, pautado pelas subjetividades internas que o autor soube expor brilhantemente. Quem já amou, já sofreu ou experimentou ambos, acaba encontrando eco em suas palavras. As informações são do Jornal da Tarde.

Tudo o que sabemos sobre:
literaturaVermelho Amargo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.