Vermeer ganha retrospectiva em Londres

O pintor holandês Johannes Vermeer (1632-1675) é a estrela da temporada londrina de artes plásticas. Amanhã, a Galeria Nacional de Londres recebe a maior mostra já feita de sua produção, recém exposta no Metropolitan, de Nova York. Trata-se de Vermeer e a Escola de Delft, que reunirá também os trabalhos de 28 pintores da cidade de Delft, na Holanda do século 17, entre eles Pieter de Hooch e Carel Fabritius.Ao todo serão 75 obras. De Vermeer, apenas 13, um terço de sua enxuta produção, que não passava de três quadros por ano. Além destes 13, estará também exposto o polêmico Jovem Mulher Tocando Cravo, de autoria questionada. A obra será leiloada depois da mostra e, se confirmada a autenticidade, deverá chacoalhar o mercado das artes: há décadas nenhum de seus 35 quadros é negociado.A Galeria Nacional está confiante no sucesso da mostra e já abriu a corrida pelos quase 300 mil ingressos. O museu garante que, ao contrário do que aconteceu em Haia, em 1995, o público não sofrerá com filas nem superlotação para admirar o mestre holandês. Para tanto, baixou de 4 mil para 3 mil o limite de visitantes por dia. Além disso, vai esticar seu horário de funcionamento, nos finas de semana, até as 21 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.