Ver mulher apanhar do marido choca os homens

Ver a professora Raquel (Helena Ranaldi) apanhar do marido sem denunciá-lo choca muito mais os homens do que as mulheres. Esse é um dos resultados de uma pesquisa sobre a novela Mulheres Apaixonadas realizada pelo Instituto QualiBest, que promove estudos para o mercado publicitário. A pesquisa, realizada entre os dias 10 de julho e 20 de agosto, diagnosticou quais os temas polêmicos da trama de Manoel Carlos que mais chocam o público e os considerados mais importantes. Ao todo, foram entrevistadas 170 pessoas, sendo 51% do sexo feminino e 49% do sexo masculino. A maior parte dos entrevistados, 57%, tem entre 21 e 30 anos, seguida pelo público de 31 a 40, que representa 27% dos participantes da pesquisa. Metade dos entrevistados reside em São Paulo, onde se concentra o maior movimento do mercado publicitário. 34% tem nível superior completo. No aspecto geral, os resultados mostram que os assuntos que mais impressionam os telespectadores na novela são: o caso de Raquel (Helena Ranaldi), que apanha calada do marido, Marcos (Dan Stulbach), e a forma como Dóris (Regiane Alves) trata os avós. O espancamento de uma mulher é apontado por 92% dos homens como o tema que lhes causa mais indignação na trama, ante 85% das mulheres. Para as entrevistadas - 75% delas - o desprezo aos idosos aparece como foco mais chocante. Entre os homens, esse item é apontado como o mais impressionante por 63% deles. Gays e traição - Dois pontos da pesquisa endossam aspectos já conhecidos da nossa cultura: um casal de lésbicas choca mais a platéia feminina, enquanto o adultério cometido por uma mulher incomoda muito mais a audiência masculina. O resultado do estudo indica que o casal de garotas gays da trama (Clara e Rafaela) impressiona 70% das entrevistadas, ante 40% dos homens ouvidos. Já o envolvimento da madame casada, Silvia (Nathalia do Valle), com o taxista Caetano (Paulo Coronato) atinge 27% deles, mas apenas 17% delas. Os personagens mais odiados da novela são aqueles mesmos: a jovem que maltrata os avós, Dóris, com 51% dos votos, o marido que espanca a esposa, Marcos, com 46%, e a filha que rejeita o pai, Paulinha (Ana Roberta Gualda), com 41% dos votos. Entre as personagens mais admiradas do folhetim, estão a virgem convicta Edwiges (Carolina Dieckman), com 30%, e a pequena que tem premonições e chora sem parar, Salete (Bruna Marquezine), com 29% de preferência. Lorena, personagem de Suzana Vieira, também é muito admirada: 24% dos pesquisados disseram que gostam do fato de ela ter coragem de se relacionar com um rapaz mais jovem. Quando perguntados qual tema da trama é o mais importante para conscientização da população, os entrevistados apontam o alcoolismo da professora Santana (Vera Holtz). O assunto aparece nas respostas de 81% dos homens e de 71% das mulheres. A relação homossexual entre duas jovens também vem à tona nessa questão. É apontando como item importante para conscientização por 66% dos entrevistados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.