Venezuelano é destaque em leilão da Sotheby´s

O quadro L´Enfant Malade, do artista venezuelano Arturo Michelena (1863-1898) foi arrematado por US$ 1,3 milhão e tornou-se um ícone entre as obras de arte latino-americanos depois do leilão da Sotheby´s. A tela, que passou décadas guardada no depósito do museu Ringling, mostra um menino visivelmente doente, deitado em uma cama ao lado de uma senhora e de um velho. O pintor, Michelena, nasceu em Valencia, estado Carabobo, em uma família de pintores. Morreu aos 35 anos.Uma das primeiras proprietárias do quadro foi a multimilionária Caroline Schermerhorn Astor, uma dama da sociedade importante do século 19, em Nova York. Em 1926, seu filho Vincent Astor vendeu-a para a Associação Norte-americana de Arte, que o vendeu para o colecionador Owen Burns. Após sua morte, em 1937, a tela foi guardada no depósito do museu Ringling. O quadro passou 60 anos sem ser visto. Foi pintado em 1887 e ganhou a medalha de ouro do Salão de Paris naquele ano.Inicialmente avaliado entre US$ 150 e US$ 200 mil, o quadro foi vendido por um valor jamais atingido por uma obra venezuelana, disse a casa de leilões Sotheby´s.No leilão, das cinco obras de artistas brasileiros, foram vendidas três: Em um Balcão na Bahia, de Di Cavalcanti (US$ 108 mil), Vue du Brésil, de Guignard (US$ 54 mil) e Dez Monotipos, de Mira Schendel (US$ 18 mil). Os quadros de Portinari Moça Penteando o Cabelo, com valor estimado entre US$ 400 mil e US$ 500 mil, e Natureza Morta com Limões, não receberam lances suficientes para seren vendidos.

Agencia Estado,

17 de novembro de 2004 | 18h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.