Veneza é palco de faroeste siciliano sem tiros

Na disputa pelo Leão, 'Via Castellana Bandiera', de Emma Dante, vai do humor ao drama à melhor maneira italiana

Luiz Zanin Oricchio, enviado especial / Veneza, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2013 | 02h28

Alguém comparou o primeiro concorrente italiano, Via Castellana Bandiera, a um western siciliano. Mas um faroeste, diga-se, no qual nenhum tiro é disparado. O duelo é outro e pode ser descrito como um torneio entre teimosias. O filme, dirigido e interpretado por Emma Dante, natural de Palermo e figura conhecida no meio teatral italiano, é, de certo modo, uma fábula, apesar do tom realista que o percorre. Inclusive no uso do dialeto palermitano a maior parte do tempo, o que obriga a legendagem em italiano para outras regiões da península.

Na história, tirada de romance homônimo da própria diretora, duas mulheres, o casal formado por Rosa (Emma Dante) e Clara (Alba Rohrwacher) vai à Sicília para um casamento. Rosa é de lá, mas fazia muito que não voltava ao Paese. No carro, as duas brigam full time e parecem a ponto de se separar. Perdem-se pela cidade e terminam no subúrbio. Numa rua estreita, topam com outro carro em sentido contrário, no qual se aperta a ruidosa família Calafiore. Marido, mulher, vários filhos e a avó, Samira (Elena Cotta), que dirige o automóvel. Nenhuma das duas motoristas dispõe-se a dar marcha a ré e ceder passagem à outra. E assim se instala o duelo entre duas cabeças duras - o tal do western à siciliana.

O tom no começo é cômico, mas muda de direção, tornando-se um drama, à melhor maneira italiana. O humor vem tanto do uso do dialeto como de estereótipos associados aos sicilianos. A teimosia sendo um deles. Um jornalista italiano fez esta observação à diretora, perguntando-lhe por que sempre o Sul é retratado assim. Emma não perdeu o rebolado e disse que, a seu ver, isso poderia acontecer em qualquer região do país. Aliás, em qualquer lugar do mundo. Basta ver o que se passa nas brigas de trânsito em São Paulo e na maneira civilizada como os motoristas resolvem suas questões. Ou seja, a Sicília é apenas uma metáfora. Cômoda, porém, "porque é o meu lugar, é o sotaque que eu tenho, as pessoas que eu conheço, a língua que eu falo", afirmou.

A seu ver - é também a nossa impressão - o tal "duelo ao sol" entre as duas teimosas simboliza a falta de diálogo entre posições antagônicas na sociedade, cisões cada vez mais acirradas e inconciliáveis. Com suas consequências trágicas, bem entendido.

Nesta estreia na direção de cinema, a experiente Emma Dante opta pela simplicidade formal. Após um prólogo, em que as duas partes antagônicas são apresentadas em separado, a situação converge para a Via Castellana Bandiera. Ou seja, para uma locação única, onde a comédia e o drama se desenvolverão. Um solução econômica e conveniente para uma artista experiente, porém estreante em cinema, que traz a novidade para o campo onde sabe jogar.

Também perguntaram-lhe isto. Por que o cinema? E Emma respondeu que a história, a trama em si, pedia um pouco do pó, do sol, do vento, do suor. Pedia carne. Pedia realismo que nem sempre o teatro é capaz de dar, e o cinema, com o close e a montagem, oferece com maior facilidade. Isso não impede, porém, que a estrutura dramática seja toda teatral, o que não representa problema. Aliás, as protagonistas absolutas, as duelistas da teimosia, são interpretadas por duas grandes damas do teatro - a própria Emma e a incrível Elena Cotta.

Quatro camelos. O outro longa do primeiro dia de competição foi o australiano Tracks, de John Curran, que tem como protagonista Mia Wasikowska, a Alice de Tim Burton em sua adaptação de Lewis Carrol. Mia está mais crescidinha e, no caso, decide enfrentar outro tipo de aventura. A história é inspirada no caso real de Robyn Davidson, que atravessou o deserto australiano até chegar ao litoral com quatro camelos e um cão. O trajeto, para lá de áspero, tem 2.200 quilômetros e levou nove meses para ser vencido. O relato foi publicado pela National Geographic e transformado em livro.

É uma viagem de iniciação, daquelas que alguém faz mais para descobrir a si mesmo que a um território inexplorado. O tema tem voltado com certa insistência no cinema, sintoma, talvez, de que o homem contemporâneo sinta-se enclausurado em seu presente. Isso é tema para especulação. De qualquer forma, a viagem, de Robyn, realizada nos anos 1970, faz-se em reação a uma vida jovem atormentada pelo suicídio da mãe e a um certo sentimento de desajuste ao mundo "normal".

O longa de Curran é bonito e tem seus momentos. Abusa um pouco da fotogenia dos imensos espaços abertos da Austrália. Pouco aprofunda do autoquestionamento de Robyn e deixa-se levar por um trilha sonora invasiva e muitas vezes desnecessária. A impressão é de que o filme fica abaixo do material literário usado.

Tudo somado, o primeiro dia de competição de Veneza 2013 começou bem. Mas não pode ser chamado de excepcional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.