Vencedora do Nobel Nadine Gordimer é imortalizada em ouro

A vencedora do prêmio Nobel de Literatura e ativista contra o apartheid Nadine Gordimer viu seu rosto imortalizado em ouro, uma honra que anteriormente foi dada a estadistas destacados como Nelson Mandela e Mahatma Gandhi.

REUTERS

15 de julho de 2010 | 20h59

A escritora de 87 anos tem documentado a sociedade sul-africana desde os 9 anos e nesta quinta-feira seu rosto foi estampado em moedas de ouro especiais para colecionadores.

"Estou comovida pela honra, tem a ver com meu trabalho, o centro da minha vida e o centro da minha vida na África do Sul", disse Fordimer.

Gordimer, uma das opositoras mais diretas do sistema de apartheid que discriminava aqueles que não eram brancos, recebeu o prêmio Nobel de Literatura em 1991, quando o comitê do prêmio disse que sua "magnífica escrita ... foi de grande benefício para a humanidade".

Muitos de seus livros foram proibidos na África do Sul durante o período do apartheid, mas foram muito lidos em todo o mundo, onde serviram de testemunho das injustiças do sistema.

"Nada é tão certo como a minha ficção", disse ela uma vez sobre suas obras.

(Reportagem de Xola Potelwa)

Tudo o que sabemos sobre:
GENTENOBELLITERATURA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.