Velho trip hop acha seu veneno antimonotonia

Velho trip hop acha seu veneno antimonotonia

MASSIVE ATTACK

, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2010 | 00h00

HELIGOLAND

Preço: R$ 30

BOM

Disco bacana esse Heligoland, o 5.º álbum de estúdio do grupo britânico Massive Attack - primeiro em 7 anos. Remete a uma época (final dos anos 1990) que sonhava a abolição de fronteiras - musicais, ideológicas, sociológicas, culturais. O Massive Attack explodia com Mezzanine (1998), fusão de sons lúgubres de tradição expressionista com a batida reverberante (e solar) do dub, do reggae, naquilo que resultava num som meio tântrico, hipnótico (o velho tripo hop). Heligoland evoca aquele passado, em canções como Rush Minute (cuja linha de bateria é idêntica à de Bela Lugosi"s Dead, do Bauhaus) e Paradise Circus (faixa de 5 minutos erguida sobre estrutura de três acordes). Mas há um tom multidisciplinar antimonotonia, com guests como Damon Albarn (Gorillaz), Adrian Utley (Portishead), Tim Goldsworthy (DFA), Hope Sandoval, Martina Topley-Bird, Guy Garvey e Tunde Adebimpe. Os parceiros 3D e Daddy G, quase sem recorrer ao hip-hop, criam atmosfera quente, não mais fria e distanciada como dantes. Vale muito. / JOTABÊ MEDEIROS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.