Veja opções para aproveitar o verão em São Paulo

Nesta época do ano, a cidade de São Paulo fica mais vazia e é um bom momento para se aproveitar as opções de lazer que a cidade oferece, especialmente para quem fica na cidade na temporada de calor. A Represa Guarapiranga é um dos redutos paulistanos em que é possível praticar atividades típicas de destinos de veraneio. Com 630 quilômetros quadrados, a represa já chegou a receber mais veleiros do que a Baía da Guanabara. Hoje são 500 a 600 barcos circulando por ali, segundo a Federação de Vela do Estado de SãoPaulo. A represa também recebe amantes de esportes radicais aquáticos, como esqui aquático e o wakeboard, em que o praticante também é puxado por uma lancha, mas, em vez de esquis, usa uma única prancha. Na falta de areia para praticar o frescobol, a grama é o cenário para dois esportes de verão paulistanos: frisbee e bumerangue. A turma do Ultimate Frisbee (3666-1567) se reúne para disputas no Parque Ibirapuera (Av. Pedro Álvares Cabral, s/n, 5574-5177), às terças e quintas, das 18h30 às 20h30. Já o bumerangueé com a Equipe Burni Marx, que costuma se encontrar no mesmo parque nas manhãs de sábado. Os ciclistas não ficam desamparados com o Parque Villa-Lobos (Av. Prof. Fonseca Rodrigues, 1.655, 3023-0316),onde há uma ciclovia de, até o momento, 1.650 metros. Enquanto não é concluída, os 3 quilômetros de vias para pedestres também podem ser percorridos sobre duas rodas. Outro local interessante é o Parque Ecológico do Tietê (Av. Guira Acangatara, 70, Cangaíba, 6958-1477), que abriga o Pipódromo, um descampado sujeito a ventos, onde o especialista Sérgio Voce costuma dar workshops. Ele pode ser contatado pelo telefone 5594-1402 ou pelo site www.pipas.com.br. A gastronomia do litoral também está presente em São Paulo, já que algumas das casas que surgiram na praiasubiram a serra e fixaram suas filiais por aqui. É o caso do famoso pastel de 30 centímetros da lanchonete Pastéis Trevo de Bertioga (R. José Maria Lisboa, 757, Jd. Paulista, 3884-8942). São 12 sabores salgados, como queijo (R$ 3,50) e bacalhau (R$ 10), além de doces, como o floresta negra (R$ 5). De Ubatuba veioo Taco (R.Gabriele D?Annunzio, 1.301, CampoBelo, 5042-2858), freqüentado muito por casais e que como o nome indica é especializado em comida mexicana. E, de Trancoso, na Bahia, saiu o Tostex (R.Haddock Lobo, 949, Jd. Paulista, 3898-1265). Enquanto no original o que impera é o famoso sanduíche feito no pão de forma, por aqui ele é só um detalhe no cardápio, já que a casa está mais para clube descolado do que para balada, com DJs animando a galera. O último a chegar em São Paulo foi o restaurante Casa de Fogo (R.Aspicuelta, 245, na V. Madalena, 3813-7228). Sua sucursal paulistana, inaugurada em novembro último, não tem à sua volta o charme docentro histórico de Parati, onde nasceu. Mas mantém no cardápio as criações do chef Julio Castaña, com receitas contemporâneas flambadas em cachaça.A capital ainda abriga bons lugares que seguem o conceito de ?oyster bar?, no qual, além de chope gelado, a especialidade é a ostra. Dois deles são o Maré Alta (R.Quatá, 432, V. Olímpia, 3044-1271) e o Bossa Nueva (R.Wisard, 138, V. Madalena, 3814-4164). Segundo Marcos Ramalho, sócio de ambos, "ostra combina com balada por ser um prato leve e de baixa caloria".Leia mais sobre opções de lazer no Guia do Caderno 2 desta semana

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.