Efe
Efe

Vaso de Ai Weiwei é quebrado em exposição em Miami

Pintor dominicano danificou a obra em protesto contra 'preferência pela arte internacional' em museu

O Estado de S. Paulo

18 de fevereiro de 2014 | 13h04

Um artista da Flórida quebrou um vaso do chinês Ai Weiwei para protestar contra “a preferência pela arte internacional” no  Pérez Art Museum Miami (PAMM). A peça da Dinastia Han foi pintada por Weiwei e é avaliada em US$ 1 milhão.

O pintor dominicano Maximo Caminero, 51, disse à polícia que o museu privilegia artistas de outros países em detrimento dos locais e por isso decidiu quebrar o vaso. Ele foi indiciado por conduta criminosa. O PAMM sedia a exposição Ai Weiwei: According to What?.

Weiwei, que já foi preso pelo governo chinês por opiniões contrárias à política de seu país, disse não ter se importado em ver sua obra destruída. “Minha obra é frequentemente quebrada nas exposições”, disse ele, afirmando que os motivos de Caminero “não parecem adequados”. (Com agências)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.