Varsóvia abriga Museu da História dos Judeus Poloneses

Presidente do país diz que construção deve ´aprofundar reconciliação de povos´

Agencia Estado

27 Junho 2007 | 16h14

O Museu da História dos Judeus Poloneses, que tem como objetivo manter viva a lembrança da população judaica e sua cultura, além de promover a tolerância cultural e religiosa, começa a ser construído a partir desta semana em Varsóvia, na Polônia, mais de 60 anos após o final da 2.ª Guerra Mundial. Na cerimônia realizada no Monumento aos Heróis do Gueto de Varsóvia para a assinatura do documento que estabelece a construção do museu, participaram o presidente da Polônia, Lech Kaczynski, o ex-presidente da Alemanha, Richard von Weizsacker, o enviado especial do presidente dos Estados Unidos Tevi Troy e o rabino chefe de Tel Aviv, Meir Lau, assim como representantes de muitas organizações judias e centenas de varsovianos. "Tenho a esperança de que o museu que ergueremos tornará possível um conhecimento mútuo melhor e o aprofundamento da reconciliação entre nossos povos", declarou o presidente polonês. "Faremos o que estiver a nosso alcance para conseguir que este museu seja igualmente importante para os poloneses, assim como para os judeus. Devemos lembrar como João Paulo II, que tanto fez pelo diálogo entre poloneses e judeus e pela luta contra o anti-semitismo, lembrou a todos os católicos que os judeus são nossos irmãos maiores na fé", disse Kaczynski. Judeus poloneses O prédio do Museu da História dos Judeus Poloneses será financiado pelos governos da Polônia e da Alemanha, pela cidade de Varsóvia, pelas organizações judias polonesas e por todas as pessoas que queiram dar sua contribuição pessoal. Antes da 2.ª Guerra Mundial, viviam na Polônia três milhões de judeus e 400 mil moravam em Varsóvia. Segundo estimativas, a imensa maioria dos judeus poloneses, cerca de dois milhões e meio, morreu nos campos de extermínio de Auschwitz, Majdanek e Treblinka. Depois da 2.ª Guerra Mundial, restaram apenas 500 mil judeus, enquanto hoje, calcula-se, a Polônia conta com 25 mil pessoas que seguem a religião.

Mais conteúdo sobre:
Varsóvia museu guerra

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.