Divulgação
Divulgação

Variedade de linguagens e plataformas pautam 9º Paraty em Foco, que começa na quarta

Em uma época em que a fotografia transita livremente pelos mais diversos suportes, temáticas e formas de captação da imagem, o 9.º Paraty em Foco – Festival Internacional de Fotografia, que acontece de hoje até o dia 22 de setembro na cidade fluminense, escolheu como eixo de discussão falar de extremos: “A imagem reflete a sociedade. Estamos vivendo numa era de extremos, assim como de variedade de linguagens contemporâneas”, comenta Iatã Cannabrava, coordenador do evento.

Simonetta Persichetti - Especial para o Estado, O Estado de S. Paulo

17 Setembro 2013 | 20h21

E, assim, a busca pelos palestrantes e convidados deu-se justamente dentro dessa ideia. Múltiplos fotógrafos com trabalhos sempre no limite de uma fronteira. Serve de exemplo o trabalho da mexicana Lourdes Grobet, que há 30 anos decidiu entender a identidade mexicana fotografando a exótica luta livre, e traz para o Paraty em Foco um trabalho multimídia sobre o extremo Estreito de Bering, no qual discute a origem do homem e a formação da sociedade ocidental.

Ao seu lado, a fotógrafa espanhola que vive em Londres Cristina de Middel, traz sua fascinante The Afronauts. A história é encenada a partir do sonho de Edward Makuka, um professor de ciência do Zâmbia que, em 1964, lançou um programa espacial com o objetivo de mandar 12 astronautas e dez gatos para a Lua. Os planos de Makuka de superar os Estados Unidos e a União Soviética não deram certo, mas essa história interessou a Cristina de Middel, que desenvolveu seu ensaio como se fosse um projeto de fotografia documental. “São trabalhos em que a realidade e a ficção se encontram”, explica Iatã.

Assim, um projeto documental/jornalístico como o do chinês Li Zhensheng também se enquadra nessa linha de extremos. Zhensheng era um jovem fotojornalista quando aconteceu a Revolução Cultural na China (1966-1976) de Mao Tsé-tung. De início, ele apoiou o movimento, mas, com o tempo, foi se desiludindo e registrando de forma crítica o que acontecia no país.

Em vez de fotografar multidões, passou a registrar o rosto das pessoas que eram executadas pelo regime. Com medo, escondeu durante 20 anos esses retratos embaixo do assoalho de sua casa. Ao todo, 30 mil negativos que só foram resgatados depois do massacre da Praça da Paz Celestial na China em 1989. Hoje, aos 73 anos, Li Zhensheng viaja o mundo dando palestras sobre seu trabalho e sobre suas fotos.

Ainda dentro da vertente do documentário, o fotojornalista Stephen Ferry traz ao Brasil seu ensaio Violentology, sobre os conflitos na Colômbia. Ele ficou dois anos realizando esse projeto e, com ele, ganhou o prêmio Picture of the Year International no ano passado. Durante sua passagem pelo evento, Ferry também participará de debate sobre registros de violência.

Acompanhando também as novas formas de divulgar a imagem, o festival ampliou a programação das plataformas multimídia. “Estamos voltando para o ensaio, não dá mais para pensar numa fotografia única, assim como cada vez mais ela passa do papel para a tela”, relata Iatã.

“A proposta é provocar debates sobre a criação contemporânea a partir de uma convocatória pública que abrange dois programas, o Multimídia em Foco e o Portfólio em Foco”, explica o curador Claudi Carreras.

Assim é que serão apresentados os trabalhos do italiano Stefano de Luigi, que trará Blanco, obra multimídia que trata do tema da cegueira, e do sueco Christian Aslund, que fala da Coreia do Norte, North Korea, e da opressão naquele país.

Ainda dentro das questões multimídia, a dupla Pep Bonet – um dos integrantes da agência holandesa Noor – e José Bautista estará em Paraty para falar sobre as últimas produções audiovisuais com as quais estão trabalhando. Eles acabam de receber o World Press Photo pelo ensaio  Into the Shadow, sobre migrações na África do Sul.

Entre os destaques nacionais, estão o artista visual Cao Guimarães, o cineasta César Charlone, os fotógrafos Gui Mohallem, Breno Rotatori e Guilherme Peters, além dos coletivos Cia de Foto e Pangeia de Dois.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.