"Vampira" deve tomar o lugar de Tiazinha

Com o fim do contrato com Suzana Alves, a "Tiazinha", ocorrido em 31 de dezembro, a Band aproveitará o carnaval para investir um pouco mais em outra personagem, até então, restrita às noites de sábado. Trata-se de Carla Tenore, a Vampira, que desde outubro apresenta o "Cine Sinistro", sessão de filmes que substituiu o antigo "Cine Trash", apresentado por Zé do Caixão. Vestida numa sensual lingerie desenhada pelo estilista Alexandre Herchcovitch, a jovem ganhará mais espaço durante o carnaval, além de um quadro fixo no programa "Superpositivo".Desde a última semana, Carla tornou-se presença garantida às sextas no programa comandado por Otaviano Costa. No quadro, o lado sensual e "sinistro" da personagem deverá ser ainda mais explorado. "A Vampira vai aparecer nesse dia para participar das brincadeiras e também contar um pouco do filme que será exibido no ´Cine Sinistro´ na madrugada de sábado", explica a intérprete.Segundo Carla, a aposta que a emissora está fazendo em seu personagem está relacionada aos bons índices de audiência que os filmes do "Cine Sinistro" têm registrado. "Em muitos sábados, ficamos em primeiro lugar no Ibope. Participar do carnaval ao lado de outros artistas da Band será a forma de lançar oficialmente a Vampira para todo o Brasil", aposta a moça, que até outubro dava vida à personagem Zebrinha, no programa "Supertécnico".Preparada para a fama - A exposição demasiada da personagem, fato que já ocorreu anteriormente com Tiazinha e Feiticeira (Joana Prado), é algo que Carla não teme, garantindo estar bem preparada para os prováveis convites que surgirão. "Na época da Zebrinha, fui sondada pela Playboy, mas acho que ainda não é o momento. Antes de qualquer coisa, o personagem tem que se consolidar."Casada há quatro anos com um lutador de jiu-jitsu, Carla brinca que apresentar o "Cine Sinistro" é algo que já estava traçado em seu destino. "Sinistro é o apelido que o Marcelo, meu marido, tem entre os praticantes do jiu-jitsu. O programa tinha que ser meu mesmo", brinca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.