Vaccines: onde esta banda vai parar?

No começo de janeiro, o jornal O Estado de S.Paulo, aqui mesmo neste caderno, chamava a atenção para uma banda inglesa nova com o nome The Vaccines, que àquela época fazia um barulho danado na música pop, mas ninguém a conhecia muito. Naquela altura, com apenas duas músicas no MySpace e poucos meses de formação, era uma banda mais recomendada do que propriamente ouvida. Mais falada do que vista. Tudo isso sem ter músicas suficientes para preencher um primeiro álbum.

Luciano Ribeiro & Indie, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2011 | 00h00

Agora, nem dois meses depois, muito mais barulho depois, um pouco mais de músicas próprias depois, vamos ver pra valer se estaremos testemunhando de fato o nascimento de uma grande banda.

Daqui a algumas horas, mais precisamente na segunda-feira de manhã, as lojas de discos do Reino Unido vão estar começando a vender o álbum What Did You Expect from The Vaccines?, o tão esperado disco de estreia do tal de Vaccines, agora um pouco mais visto, um pouco mais ouvido e muito mais recomendado do que lá em janeiro.

Fazia tempo que a música independente não ficava tão excitada com uma nova banda. Quarteto baseado em Londres formado há apenas oito meses e cujo vocalista, Justin Young, até pouco tempo atrás tocava numa inexpressiva banda folk, os Vaccines não podiam ter escolhido um nome mais "feliz" para seu début em disco: O Que Você Esperava dos Vaccines?.

A banda está causando um sucesso imediato improvável. Seus integrantes não são exatamente bonitos do tipo Kings of Leon, as músicas emulam um britpop misturado com pós-punk que não são exatamente uma novidade, principalmente na Inglaterra, e Justin Young tem uma timidez, como diria o ícone britânico Morrissey, que é criminosamente vulgar.

Justin é ele mesmo a figura de um anti-herói indie. Não se acha nada atrativo fisicamente, sobe ao palco com camisa social para dentro da calça jeans e afirma não entender direito por que, com uma música de 1 minuto e meio nas rádios de alcance limitado já nem podia mais frequentar festas por causa do assédio feminino.

Mas com três músicas e um punhado de elogios de notáveis tipo Alex Kapranos (Franz Ferdinand) e Noel Gallagher (Oasis), foram logo adotados pelas rádios de rock que importam, caíram nas graças da equipe de caça-talentos da BBC e acabaram parando até na TV inglesa. No famoso programa do apresentador Jools Holland, em novembro, o que significa com meros cinco meses de estrada, tocaram as três músicas que tinham, honra raramente dada a um grupo iniciante.

Mas isso tudo é notícia velha, láááá de janeiro. Nestes dias de março, à porta de lançar seu primeiro álbum em CD, vinil e MP3, os pequenos Vaccines estão, parece, num estágio de banda lançando o terceiro disco depois de os dois primeiros terem estourado nas paradas - ou pelo menos na cena independente.

No começo deste 2011 a banda não sabia se iria lançar logo um primeiro álbum. Em fevereiro, o disco, já batizado de What Did You Expect from The Vaccines? e devidamente cooptado por um selo grande como o da Columbia Records (Sony), foi anunciado para sair dia 21 de março. Agora em março, no começo do mês, veio o aviso: o disco seria lançado dia 14, para sair da frente da chegada às lojas do novo disco dos Strokes. Para sair da frente e para sair na frente dos Strokes, para ser mais exato.

Mas como o resto do planeta, principalmente o mercado americano, tradicionalmente tão pouco receptivo ao rock britânico, vê esse entusiasmo da música inglesa com sua nova cria?

Quando o Estado soltou a primeira resenha sobre o fenômeno Vaccines, a banda estava indo fazer suas primeiras apresentações em Los Angeles e Nova York. Quatro shows esgotados depois, com gente para fora disputando cambista por um ingresso superfaturado. A recepção, ainda no âmbito indie, foi tamanha que a banda viu fixada como julho a data do lançamento americano de seu álbum, que já foi adiantada agora para 31 de maio e não será de espantar que o disco saia nos EUA em abril.

Enquanto o disco sai lá na Inglaterra, os Vaccines estarão fazendo as malas para tocar em Austin, Texas, onde têm cinco shows marcados no importantíssimo South by Southwest, o festival de bandas emergentes que é considerado a principal vitrine para indústria da música ver, ouvir e sair às compras.

Enquanto isso, a imprensa musical americana começa a registrar o Vaccines em suas páginas. A revista Spin, resenhando como foram os shows em LA e NY de janeiro, disse que "ter visto os Vaccines neste momento foi como assistir a um bem-sucedido teste de emprego para a vaga de futura melhor banda do mundo."

Sem esperar o disco da banda inglesa desembarcar em solo americano, o iTunes, a loja virtual de música da Apple, "montou" um EP com três músicas dos Vaccines para vender, como MP3. O iTunes dos EUA ainda anuncia para 18 de março, semana que vem, autorizado apenas para depois do lançamento do disco na Inglaterra, o lançamento de uma versão instrumental de uma das pequenas pérolas dos Vaccines, Post Break Up Sex, para ser usada em karaokê!!

A outrora pequena e hoje gigante banda de rock Arcade Fire escolheu os Vaccines para estarem no mesmo palco no grande show que o grupo canadense fará para 70 mil pessoas no Hyde Park, em junho, no verão londrino. O também indie-popular Arctic Monkeys, este britânico, escalou os Vaccines para tocarem na abertura de um de seus dois megashows em um estádio de Sheffield, a "casa" dos Arctic Monkeys, ainda em junho, quando a banda local vai lançar mais um novo álbum.

Do jeito que a coisa vai, até eu estou curiosíssimo para saber o que poderíamos escrever de novo por aqui sobre os Vaccines, novamente daqui a uns dois meses. Alguém duvidaria de alguma notícia futura do tipo: "Rock in Rio anuncia para outubro os Vaccines para fecharem o Dia do Rock Alternativo, que ainda terá o Coldplay?" Eu não...

Veja nestes links abaixo as performances do Vaccines na TV inglesa em novembro passado, no conceituado programa do apresentador Jools Holland:

- Wreckin" Bar (Ra Ra Ra): http://tinyurl.com/66p5pub

- Blow It Up: http://tinyurl.com/4kgtspz

- All I Want: http://tinyurl.com/6jkqphr  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.