Markus Schreiber/AP
Markus Schreiber/AP

Ursos às portas de come rain

Com ótimo elenco, filme do coreano Lee Yoon-ki é a terceira grande obra exibida em Berlim

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2011 | 00h00

Qualquer pessoa que tente entender os critérios de seleção de um grande festival, como o de Berlim, corre o risco de chegar a um beco sem saída. Na competição desta Berlinale, há dois filmes argentinos - El Premio, de Paula Markovitch, e El Mundo Misterioso, de Rodrigo Moreno. São insatisfatórios e indefensáveis. O melhor argentino está na seção paralela Panorama. É Medianeras, de Gustavo Taretto.

Três ou quatro grandes filmes numa seleção de 20 é, afinal, um resultado honroso. O problema é que os restantes são quase todos fracos. Ontem pela manhã, passou o terceiro grande filme do festival. Come Rain, Come Shine, de Lee Yoon-ki, concorrente coreano. Nada além da separação de um casal, contada num estilo deliberadamente lento. O tempo está sendo o grande personagem dessa Berlinale.

Come Rain, Come Shine faz a síntese dos dois maiores da seleção. Tem o tema da separação do casal do iraniano Nader and Simin - A Separation, mas sem a urgência social do filme de Asghar Farhadi. Usa, senão exatamente o tempo, a riqueza de uma mise-en-scène detalhada por Bela Tárr, sem as implicações bíblicas de O Cavalo de Turim.

Logo na abertura, um longo diálogo, filmado dentro de um carro - quase dez minutos - introduz o casal. Ele está levando a mulher para o aeroporto. A princípio silenciosos, falam de várias coisas. De repente, ela anuncia que está deixando a casa. Como? Tem outro, quer se separar. Na sequência, o casal passa seu último dia - sua última noite - na casa. Chove torrencialmente. Ambos ficam ilhados.

Como no filme de Bela Tárr, são poucas as interferências externas - um gato que invade o casa, outro casal que vem procurar pelo animal. Durante todo o tempo, é o casal. Ele segura sua onda. É solícito. Chega a se oferecer para ajudá-la a empacotar suas coisas. A mulher se exaspera, puxa uma briga (que não acontece). E então, tão inesperada quanto a confissão de que tem outro e está indo embora, ela parece vacilar. Ambos vão preparar o jantar. O gato reaparece. A narrativa termina em aberto. O que vai ocorrer com esses dois?

Hyun Bin, que faz ele, é um astro da TV coreana. Lim Soo-jung, ela, também é muito popular no país e no exterior. Estrelou I"m a Cyborg, But That"s OK, que foi premiado em Berlim, há cinco anos. Formam o casal mais belo desse festival. E são talentosíssimos. O Urso de Ouro para Farhadi, o de Prata (direção) para Bela Tárr, os Ursos de interpretação para o elenco de Come Rain? Seria a premiação de sonho. Lee Yoon-ki entende tudo sobre o casal. Um Eric Rohmer coreano? Não acontece muita coisa em Come Rain, Come Shine. Mas, como em outras obras essenciais, nada pode ser tudo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.