Urso de Ouro abre caminho para 'Tropa' tentar o Oscar

Críticas como a da revista Variety demoliram Tropa de Elite. O filme de José Padilha foi chamado de fascista e o Capitão Nascimento, personagem interpretado por Wagner Moura, foi comparado a Rambo. Na noite de sábado, feliz da vida após ganhar seu Urso de Ouro, o diretor agradecia ao presidente do júri, Costa-Gavras, e ao Festival por haverem entendido que não era nada disso. O produtor Marcos Prado, que subiu ao palco do Berlinale Palast na hora do agradecimento, reforçou o caráter de crítica do filme e disse que, de posse do Urso de Berlim, há mais disposição para lutar contra essa realidade de corrupção e violência. Além da óbvia sobrevida que o filme ganha a partir de agora nas salas de cinema do Brasil, onde deve voltar ao cartaz com toda força nos próximos dias, Padilha e o distribuidor Harvey Weinstein, ex-Miramax e hoje Weinstein Company, já podem planejar agora com mais tranqüilidade a campanha de lançamento de Tropa de Elite nos EUA. A expectativa é saber se, a exemplo do que conseguiu com Cidade de Deus, de Fernando Meirelles, Weinstein também vai conseguir emplacar Tropa de Elite em categorias importantes do Oscar no ano que vem. Na coletiva, após a premiação, Padilha fez questão de dizer que é um cineasta brasileiro e que sua vitória não é algo isolado, mas uma vitória do próprio cinema do Brasil. É a mais pura verdade. Não vamos nos esquecer de algumas coisas. Embora o Urso de Ouro seja a estrela mais reluzente a destacar, na Berlinale de 2008, o cinema brasileiro recebeu outros prêmios que não podem passar despercebidos. O longa Mutum, de Sandra Kogut, que já havia participado da seleção de Cannes no ano passado, foi convidado a participar de novo do Festival de Berlim - o que é raro - e ganhou uma menção na mostra Generation Plus. O curta Café com Leite, de Daniel Ribeiro, também foi considerado o melhor do formato na seção Generation 14Plus. E outro curta brasileiro, Tá, de Felipe Scholl, foi o melhor da mostra Teddy Bear, que contempla filmes de temática gay e lésbica. Três prêmios em diferentes formatos e seções, mais o Urso de Ouro, atestam a diversidade e vitalidade do cinema brasileiro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.