Unidos por uma banda de garagem

A paixão dos amigos pela música na obra Tirando um Som

BIA REIS, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2012 | 03h11

O texto construído ao longo de um ano por várias mãos, em uma parceria entre 105 jovens e três dramaturgos, virou peça de teatro, rodou o Centro Educacional Unificado (CEU), da Prefeitura de São Paulo, em 60 apresentações, e se transformou no livro Tirando um Som, da editora Paulus.

O livro conta a história de cinco adolescentes que decidem montar uma banda de garagem. Com perfis bastante diferentes, eles têm o gosto pela música como paixão em comum. Durante os ensaios, se deparam com as diferenças de realidade e descobrem como realizar seus sonhos.

A ideia de fazer um texto colaborativo nasceu do dramaturgo Roberto Morettho, de 40 anos, da Cia. O Grito, da Cooperativa Paulista de Teatro. Primeiro, a companhia criou sete oficinas de criação - de iluminação, dramaturgia, cenário, interpretação, direção, criação musical e figurino -, direcionadas para jovens de 15 a 22 anos. O requisito era ter alguma vivência em teatro.

Orientados por profissionais da companhia, os jovens passaram então a participar das oficinas, cada um na sua área, e a construir, juntos, o texto.

"No início, todos queriam fazer a oficina de interpretação. É raro alguém escolher cenário ou iluminação. A maneira que encontramos para que eles permanecessem foi colocá-los nos ensaios, fazer com que se envolvessem no processo de criação", diz Morettho, que assina o texto com os também dramaturgos Marcos Gomes e Paula Autran.

Gomes, de 32 anos, conta que primeiro o trio fez um esboço de cada personagem e das cenas. A partir dai, foram idas e vindas. O texto seguia para os núcleos, era interpretado, discutido, construído e voltava para as mãos dos dramaturgos, que foram se encarregando de dar ritmo, escolher palavras, finalizá-lo.

"O maior desafio do processo colaborativo é saber se relacionar com todos e, ao mesmo tempo, manter a voz autoral, sem diminuir nenhuma ideia. Tentamos potencializar os vários elementos", afirma Gomes.

Profissionalismo. Os atores, assim como os orientadores das oficinas, eram profissionais - os demais participantes, todos amadores. "Fizemos isso porque não queríamos criar uma situação irreal. Nossa intenção era mostrar para os jovens como é, de fato, o trabalho em uma companhia profissional de teatro", explica Morettho.

Parte da coleção Em Cena, que apresenta peças teatrais para jovens leitores, o livro será lançado amanhã, das 14 às 17 horas, na Livraria da Vila do Shopping Pátio Higienópolis, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.