Unidos por uma banda de garagem

A paixão dos amigos pela música na obra Tirando um Som

BIA REIS, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2012 | 03h11

O texto construído ao longo de um ano por várias mãos, em uma parceria entre 105 jovens e três dramaturgos, virou peça de teatro, rodou o Centro Educacional Unificado (CEU), da Prefeitura de São Paulo, em 60 apresentações, e se transformou no livro Tirando um Som, da editora Paulus.

O livro conta a história de cinco adolescentes que decidem montar uma banda de garagem. Com perfis bastante diferentes, eles têm o gosto pela música como paixão em comum. Durante os ensaios, se deparam com as diferenças de realidade e descobrem como realizar seus sonhos.

A ideia de fazer um texto colaborativo nasceu do dramaturgo Roberto Morettho, de 40 anos, da Cia. O Grito, da Cooperativa Paulista de Teatro. Primeiro, a companhia criou sete oficinas de criação - de iluminação, dramaturgia, cenário, interpretação, direção, criação musical e figurino -, direcionadas para jovens de 15 a 22 anos. O requisito era ter alguma vivência em teatro.

Orientados por profissionais da companhia, os jovens passaram então a participar das oficinas, cada um na sua área, e a construir, juntos, o texto.

"No início, todos queriam fazer a oficina de interpretação. É raro alguém escolher cenário ou iluminação. A maneira que encontramos para que eles permanecessem foi colocá-los nos ensaios, fazer com que se envolvessem no processo de criação", diz Morettho, que assina o texto com os também dramaturgos Marcos Gomes e Paula Autran.

Gomes, de 32 anos, conta que primeiro o trio fez um esboço de cada personagem e das cenas. A partir dai, foram idas e vindas. O texto seguia para os núcleos, era interpretado, discutido, construído e voltava para as mãos dos dramaturgos, que foram se encarregando de dar ritmo, escolher palavras, finalizá-lo.

"O maior desafio do processo colaborativo é saber se relacionar com todos e, ao mesmo tempo, manter a voz autoral, sem diminuir nenhuma ideia. Tentamos potencializar os vários elementos", afirma Gomes.

Profissionalismo. Os atores, assim como os orientadores das oficinas, eram profissionais - os demais participantes, todos amadores. "Fizemos isso porque não queríamos criar uma situação irreal. Nossa intenção era mostrar para os jovens como é, de fato, o trabalho em uma companhia profissional de teatro", explica Morettho.

Parte da coleção Em Cena, que apresenta peças teatrais para jovens leitores, o livro será lançado amanhã, das 14 às 17 horas, na Livraria da Vila do Shopping Pátio Higienópolis, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.