Uma TV 24 horas para os internautas

"Vitaminada" está na sala de bate-papo dando bola para "Twister" quando leva uma bronca de "Roger", com quem estava conversando até aquele momento. No meio da "discussão" virtual, a conversa dos três acaba sendo comentada por um apresentador de televisão. Coisa de louco? Pode até parecer, mas isto já é possível desde que a AllTV - a primeira TV brasileira da Internet - entrou no ar pelo site www.alltv.com.br no último dia 6. Dois dos personagens citados acima realmente estavam conversando na sala de bate-papo, mas o terceiro, Roger, tem uma identidade muito conhecida nos meios televisivos. Trata-se de Alberto Luchetti Neto, diretor da AllTV, que durante os últimos anos costumava dar expediente na Rede Globo. Decidido a ter a própria emissora de televisão e cansado do formato convencional de TV, Luchetti, que comanda uma equipe de 92 profissionais, resolveu montar seu próprio canal, onde pudesse conciliar interatividade com informação e entretenimento.Pé na Estrada, sobre turismo, Marmitão do Véio, que dá dicas de culinária, Na Trilha do Som, sobre música, e o humorístico Os Irmãos Gêmeos são apenas algumas das atrações exibidas durante 24 horas por dia, sempre num esquema de revezamento para que o internauta possa ter acesso à toda a programação do canal.No estúdio B, onde são gravados todos os programetes de dois minutos, bandas e músicos desconhecidos terão espaço garantido, segundo Luchetti. "Vamos fazer um concurso nacional de bandas e qualquer um poderá se inscrever", antecipa. "Queremos abrir espaço para tanta gente de talento que não tem chance no circuito de TV aberta."Corrigindo o erro - Para o diretor de criação Marco Barrero, quanto mais heterogênea for a programação, maior será a representatividade da sociedade brasileira no canal. "A idéia é justamente deixar o entrevistado falar sem censura, sem edição, sem cortes e sem critérios elitistas, que são tão contraditórios na TV aberta. O conteúdo dos canais abertos foi parar no fundo do poço, a ponto da barata se transformar na grande atração da TV brasileira", critica Barrero, referindo-se a programas como Hipertensão, No Limite e outros do mesmo gênero.Na visão de Luchetti, a aparente perfeição existente em emissoras como a Globo não é uma meta dentro da emissora dos internautas. "Diferentemente do que acontece numa Globo, por exemplo, quando uma luz não acende no estúdio do Jornal Nacional e rolam cinco, seis cabeças por causa dessa falha, aqui não temos nenhum problema em errar. Não vamos punir um apresentador por ter cometido um erro de português, por exemplo. Corrige-se o erro e toca-se pra frente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.