Uma sinfonia nos limites da linguagem

Quando ouvimos falar na Nona Sinfonia de Beethoven, assobiamos o tema da Ode à Alegria. E jogamos os 45 minutos anteriores num limbo. Foi assim que Samuel Titan Jr., professor da USP, iniciou sua excelente palestra "Memória e Antecipação", anteontem, na Sala São Paulo, abrindo a série Música na Cabeça, iniciativa conjunta da Osesp e do Estado.

João Marcos Coelho, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2011 | 00h00

Outro equívoco é apontar fratura entre os movimentos orquestrais e o coral-sinfônico final. A organicidade da obra é plena. Titan mostrou como Beethoven "sondou nela os limites da linguagem musical que ajudara a consolidar". Os três primeiros "funcionam como um grande arco de tensão que conduz à soleira do Finale", quando os temas anteriores reaparecem e são recusados no início orquestral. Quando o barítono canta "Outros sons! Estes não", abrindo a parte vocal da sinfonia, "a Ode se torna cenário de um diálogo com todo o material instrumental anterior". "Beethoven fez o tratamento fugal da orquestra incidir sobre o próprio texto, que vai tomando corpo à nossa frente como enfrentamento contrapontístico de dois temas verbais, éticos e musicais: de um lado, o louvor da fraternidade humana, introduzido pelas vozes solistas; e de outro o cântico etéreo introduzido pelo coro."

O título da palestra remete a dois vetores básicos. De um lado, desde 1785, data do poema Ode à Alegria de Schiller, ele ruminou a ideia de utilizá-lo em música; de outro, a melodia da Ode também acompanhou-o por igual tempo. Na sinfonia, ele repassa diante de nós estes trajetos e os projeta ao futuro.

Devemos resistir à tentação de extrair um sentido final da Ode, alertou Titan. "Vale a pena resistir, pois o Finale chega a um ponto de repouso menos por obra de uma solução que se impõe e mais por obra do livre jogo de todos os elementos mobilizados". Mas, ao mesmo tempo, "Beethoven retorna e repensa os ideais humanos e políticos que o haviam inspirado em seu momento heroico comporta-se como quem quer legar ao futuro a promessa ou o projeto de uma vida humana mais plena e luminosa".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.