Uma obra feita de pormenores

Em seu trabalho, as construções de sentido se despedaçam e o particular se impõe ao geral

Dirce Waltrick do Amarante, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2012 | 03h09

Num ensaio sobre literatura e senso comum, Vladimir Nabokov afirma que as normas irracionais na arte "significam a supremacia do pormenor sobre o geral, da parte que está mais viva do que o todo, da minúscula coisa que o homem observa e saúda com um amável gesto do seu espírito, enquanto a multidão à sua volta é arrastada por um impulso comum para um objetivo comum".

Como não pensar, a partir das palavras de Nabokov, na obra do escritor irlandês Samuel Beckett? Obra feita de pormenores, pequenas construções de sentido que se despedaçam tão logo o escritor se depara com o inoperante senso comum.

Para Beckett, a linguagem não pode revelar verdade alguma. Sua obra é fascinada pela hipótese da sua própria ausência. Ao mesmo tempo, porém, essa linguagem não deixa de discutir e apresentar o absurdo da condição humana.

Já no início de sua carreira, Beckett foi considerado um "absurdista", e festejado, controvérsia à parte, como um dos pais do Teatro do Absurdo. A principal característica dessa "atitude", segundo Martin Esslin, seria a sensação de que certezas e pressupostos básicos e inabaláveis de épocas anteriores desapareceram no pós-guerra.

Na obra Beckett, as "questões" de Immanuel Kant - "O que eu posso conhecer? O que eu posso fazer? O que eu posso esperar?" - são retomadas e reformuladas. Em Textes pour Rien, por exemplo, lê-se: "Onde eu iria se eu pudesse ir? O que eu seria se eu pudesse ser? O que eu diria se eu tivesse uma voz?". Às personagens beckettianas restaria apenas esperar, exaustas, a chegada de algum sentido.

Se há um cotidiano presente na obra do artista irlandês, certamente é um retrato tragicômico da vida numa época (a do pós-guerra) na qual, afirmava o dramaturgo Eugène Ionesco, contemporâneo de Beckett, "não podemos deixar de nos indagar o que estamos fazendo nesta Terra".

É Alain Badiou quem resume, a meu ver, de forma bastante abrangente, a obra de Beckett: "É um escritor do absurdo, do desespero, do vazio, da incomunicabilidade e da eterna solidão, em suma, um existencialista. Mas também um escritor 'moderno', no que diz respeito ao destino da escritura, à ligação entre a repetição da linguagem e o silêncio original, à função simultaneamente sublime e irrisória das palavras, tudo isso teria sido capturado pela prosa, muito aquém de toda intenção realista ou representativa, a ficção sendo ao mesmo tempo a aparência de uma narração e a realidade de uma reflexão sobre o trabalho do escritor, sua miséria e sua grandeza".

No âmbito da literatura irlandesa, é sempre interessante comparar Samuel Beckett com James Joyce, seu mestre. Embora Beckett enfatizasse as diferenças entre suas respectivas obras, parece-me que o excesso da linguagem em Joyce e a aridez da linguagem em Beckett redundam numa mesma "língua cansada", que submete o sujeito da voz a uma "tortura intolerável". Tanto em Beckett quanto no último Joyce, os personagens são feitos de palavras. Assim, lemos em O Inominável: "Sou de palavras, sou feito de palavras, das palavras dos outros (...)", talvez o testemunho mais lúcido de Beckett.

DIRCE WALTRICK DO AMARANTE É PROFESSORA DE ARTES CÊNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. COORGANIZOU, COTRADUZIU DE SANTOS, SÁBIOS, ENSAIOS DE POLÍTICA, ESTÉTICA DE JAMES JOYCE (ILUMINURAS)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.