Uma ligação muito especial

Na entrevista acima, Alexandre Guerra assume seu débito com Philippe Sarde. Diz que ouvir a trilha dele para As Coisas da Vida, de Claude Sautet, mudou sua vida. Sarde não foi só o compositor preferido de Sautet - em Sublime Renúncia, César e Rosalie e Vicente, Francisco, Paulo e os Outros -como forneceu a trilha para outros grandes cineastas franceses, numa diversidade (de carreira) que incluiu numerosos filmes de André Téchiné e chega a La Princesse de Montpensier, de Bertrand Tavernier, que concorreu em Cannes, 2010. A música para cinema é certamente um capítulo especial - da música e do cinema. Existem as grandes parcerias - Alfred Hitchcock e Bernard Herrmann, Federico Fellini e Nino Rota, Sergio Leone e Ennio Morricone, mas o que dizer da trilha de Victor Young para Johnny Guitar, de Nicholas Ray? Por acaso as cenas de Joan Crawford, como 'Vienna', teriam a mesma intensidade sem a partitura de Young?

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2012 | 03h07

Os críticos não se cansam de dizer que o excesso de música pode banalizar a imagem. Acrescentam que trilha boa é aquela serve à imagem, compondo a simetria audiovisual indissociável. Mas se as trilhas não tivessem valor em si, não pudessem ser ouvidas independentemente dos filmes, não existiriam tantos CDs de colecionadores. Às vezes, você precisa dissociar a música da imagem - da cena - para apreciar melhor seu valor. E existem os casos de cineastas, o francês François Truffaut, que se apropriaram de trilhas compostas para outros filmes. Músicas de Maurice Jaubert para Jean Vigo foram usadas por ele em novas composições de imagem e som em O Quarto Verde, por exemplo.

A nouvelle vague, da qual Truffaut foi um dos arautos, foi pródiga em incorporar compositores clássico e as Quatro Estações, de Vivaldi, embalaram incontáveis tramas da época. No Brasil, Glauber Rocha seguiu o exemplo e misturou as Bachianas de Villa Lobos à trilha de Sérgio Ricardo para o seu Deus e o Diabo na Terra do Sol. De volta a Alexandre Guerra, o filme de Mara Mourão, Quem se Importa?, sobre empreendedores sociais, já criou uma espécie de culto. A autora busca os exemplos de pessoas que fazem a diferença com seus projetos humanitários. O filme é melhor com a trilha de Guerra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.