Uma faz estréia simples na passarela da SPFW

Inspirada, diz ela, nas obra centrada em objetos de consumo urbano de Jac Leiner, a estilista Raquel Davidowicz fez sua coleção de verão. A passarela é simples, mas um telão horizontal exibe imagens aéreas de cidades ? pode ser São Paulo, pode ser Brasília, pode ser qualquer lugar. Nas roupas, a forma é simples ? e usável, mas não tem "aquele brilho". Raquel começa com muitas peças brancas, com vestidos, mini-bolerinhos, salopete de cava ampla, camisas brancas, sainhas com bolsos-bolsas amarrados, e apliques de acrílico para enfeitar. Atenção para a mochila-asas, que vem transparente. Entra, em seguida, a linha com estampa de tíquete de metrô, fazendo o paralelo com a obra de Jac. A sobreposição das formas faz, por exemplo, regatas como se fossem várias sacolas sobre o corpo. Nos pretos-noite, a grife exibe a parceria com a Swarovski e salpica cristais aqui e ali. E a borracha surge como o material alternativo na composição de patchworks. O povo aplaudiu sem muito entusiasmo, mas a Uma tem seu público, que se não comprar a roupa, pelo menos come uma coisinha no Refeitório da Vila Madalena.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.