Uma fantasia para acordeom e cordas

Convidado a escrever um concerto para a Osesp em julho de 2011, o compositor e acordeonista Toninho Ferragutti compôs a peça durante uma turnê, "literalmente na estrada". A Fantasia para Acordeão e Cordas tem cinco movimentos e estreia mundial marcada para o dia 24 na Sala São Paulo, com regência do maestro Claudio Cruz. Os ensaios serão nos dois dias anteriores.

O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2012 | 03h11

Ferragutti dividiu o trabalho de orquestração com o músico e arranjador Adail Fernandes. "Muitas ideias foram surgindo, mas o que mais vinha à cabeça era poder trabalhar alguns elementos que fazem parte do acordeom na música popular no Brasil, como as repetições no fole, Biellow-Shake, que se aproximam das repetições das arcadas das cordas e causam efeito muito bonito quando tocados juntos", diz Ferragutti.

Ele também pensou em "outras técnicas que já estão sedimentadas na maneira de tocar o acordeom no Brasil, mas não estão escritas nem exploradas na música de concerto". Ele diz que uma das motivações foi que passou a acreditar, "às vezes até de maneira ingênua", que as duas linguagens (acordeom e orquestra) "se alimentam e de certa maneira precisam uma da outra". Explorando dinâmicas e melodias simples, sua Fantasia tem "um gosto de música italiana, nordestina, paulista e francesa". / L.L.G.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.