Uma carta para o lado de lá

Caio querido, escrevo para te contar que desde que escrevi o nosso livro, aquele, que combinamos em 83, só me aconteceram coisas boas. Reli nossas cartas, chorei potes, respirei fundo, botei uma rosa na frente do seu retrato e mãos à obra. Entrevistei amigos, inimigos, editores, escritores e todos contaram histórias ótimas de você. Emoções fortes: estive na casa do Menino Deus, e sua irmã Claudia me mostrou tanta coisa que dava para fazer três livros! Amei a aquarela que você pintou na Praia do Rosa pouco antes de partir... já faz 15 anos! Mas quero que você saiba que para teus livros, o tempo não passou. A moçada te lê com devoção. E quando alguém descobre que fui tua amiga, nossa, é umas enxurrada de perguntas, carinhos, uma delícia, como diria o Bivar.

Paula Dip, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2011 | 00h00

Na noite de autógrafos do Rio, conheci o Candé Salles, lembra dele? Aquele ator de olhos verdes da peça À Beira do Mar Aberto, que ele encenou em 95, com a Natália Lage. Imagine só, hoje ele é diretor de cinema da Conspiração Filmes e estamos fazendo um documentário sobre você, baseado livremente no meu livro. Bem livremente mesmo, pois tudo que o Candé e eu fazemos é superlivremente, do jeito que você gosta. Temos até imagens de você em branco e preto vivendo em Londres, 1974, pode? Com tudo isso, você continua vivo no nosso coração. O Cande é um Caio F. do século 21. Acho que o filme fica pronto no ano que vem! Te aviso! Beijos, da sempre sua Paula Deep.

PAULA DIP É JORNALISTA, AUTORA DA BIOGRAFIA PARA SEMPRE TEU, CAIO F. E PREPARA PARA 2012, ALÉM DE UM DOCUMENTÁRIO, VOLUME QUE REÚNE CARTAS TROCADAS PELO ESCRITOR COM HILDA HILST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.