Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Uma avalanche de eventos

Temos vivido uma avalanche de eventos. Da morte de Chávez às divergências sobre os royalties do petróleo cujas sequelas vão mudar a cena política. Isso para não falar sobre a renúncia e agora eleição de um novo pontífice e o rompimento de uma trégua pela Coreia do Norte. Tudo isso pesa num mundo cada vez menor.

Roberto Damatta, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2013 | 10h59

No plano insignificante do cronista, há a carta insigne que recebi do vice-presidente da República, o senhor Michel Temer - assinada como Michel Temer -, reclamando do modo como ele é mencionado na crônica Eu não Aceito, publicada em 6 de fevereiro.

O sr. Michel Temer ficou magoado com o que leu como uma censura à sua poesia. Ora, não é todo dia que um sujeito que dá aulas lê, escreve e pesquisa por mais ou menos 50 anos; um alucinado que andou estudando índios e que transformou alegrias como o carnaval e futebol em chatices teóricas; que vive denunciando a amizade e o apadrinhamento como valores essenciais no mundo público; enfim, um professor, essa profissão tão valorizada no Brasil, recebe uma carta acompanhada de três livros de um vice-presidente da República, uma pessoa superocupada com os problemas nacionais e com uma trajetória pública invejável.

Daí porque - pela deferência à figura de Michel Temer e pelo respeito que tenho pelo papel que ocupa (e que a ele não pertence totalmente) - torno público um assunto relativamente particular.

Observo que o nome do sr. Michel Temer surge na minha crônica no papel de poeta. E de poeta hígido (hígido, para quem não sabe, significa saudável!). Observo, em seguida, que minha crônica é permeada de ironia que se manifesta nas imagens que usei para salientar a minha desilusão com a dinâmica política nacional. O fato concreto, entretanto, é que jamais larguei coisa alguma. Muito pelo contrário, estou enfronhado no Brasil e, por circunstâncias que não inventei, tenho viajado muito mais para dentro do que para fora de mim mesmo. No momento, estou aprendendo a viver com menos.

Michel Temer escreve-me discorrendo sobre a sua vocação poética e explica que somente publicou seus pensamentos instado por amigos fiéis que, por sinal, são indivíduos admiráveis. Em seguida, ele fala de sua trajetória como acadêmico no campo do Direito Constitucional, cujo sucesso foi inegável, e exprime, não sem uma boa e justa dose de sarcasmo, o seu ressentimento por eu ter condenado a sua poesia. Termina dizendo uma verdade: "Talvez o que o tenha influenciado é o meu lado político. Duvido que V.S. seja daqueles que desestimulam os 'calouros' que se atrevem a impulsionar pelas letras sentimentais".

O poeta no vice-presidente está certo. Depois de ler o seu livro Anônima Intimidade percebo sua reação. Michel Temer é um homem dividido como eu. É um correligionário de letras e de mediunidade que a política escondeu e que, espero, não tenha liquidado totalmente. Na carta que ele se dignou a mim endereçar, Michel Temer me situa no Olimpo da vida literária nacional. Ledo engano, Michel. Eu moro em Niterói e tenho a certeza, como muitos que criticaram o meu trabalho, que sou um especialista menor, errado ou superficial, que luta para fechar suas contas praticando uma antropologia antiga.

Na referida crônica, eu expressava a minha indignação não contra a sua poesia, mas contra a posse como presidente do Senado de um político sobre o qual pesam graves acusações. Um parlamentar que, entre outros fatos, é um recordista de atos secretos e, mesmo assim, ou talvez por isso mesmo, dava uma aula de "ética". Se o poeta Michel Temer reler a minha crônica, ele verá que o seu nome aparece por ele ser a segunda pessoa da República e sua excelência, o presidente do Senado, o sr. Renan Calheiros, o qual pertence ao seu partido, ser a terceira. Quer se queira ou não, o vice-presidente faz parte de um governo no qual a política tem sido descarrilhada por troca de favores e escândalos que me envergonham - razão do meu desabafo.

Eu não o julguei como poeta, mas testemunhei pela leitura do seu livro a angústia contida na poesia rascunhada em papel de guardanapo de avião ao sair de Brasília. Vejo que é um composto de perplexidades e angústias causadas pelo campo de sua atuação principal: a política - justamente a dimensão que motivou minha crônica. Lendo as suas ansiedades, eu bem posso imaginar a profundeza das consternações que marcam a sua biografia. No seu livro enxerguei a purgação que uns poucos podem fazer diante de um quadro político tão, data vênia, deprimente. Se fazemos em parte o mesmo, como poderia censurá-lo como poeta? Lamento o mal-entendido e por ele me desculpo.

Mas gostaria de aproveitar esta ocasião para dizer como eu gostaria que o seu lado de poeta estivesse mais próximo do seu lado de político profissional e - ouso sugerir com índole fraternal - pudesse ouvir esse seu lado literário com mais frequência. Foi imperdoável tê-lo ignorado como poeta e rogo para que sua poesia possa iluminar - com a agonia e as incertezas de todo poema - este nosso Brasil, cujo palco político produz dramas tão calhordas sem nenhum constrangimento.

PS: Aqui fica um convite para um encontro em minha casa no Olimpo chamado Niterói. Seria um prazer conhecer pessoalmente o poeta que é vice-presidente da República e liderança da base governista.

Tudo o que sabemos sobre:
Roberto Damatta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.