Um trajeto prolífico e inquieto

Dirty Projectors surgiu das composições de David Longstreth, no início dos anos 2000, enquanto o músico estudava em Yale. The Graceful Fallen Mango, seu primeiro disco, hoje tem status cult por seu belo híbrido de psicodelia lo fi. Na época, as gravações eram prolíficas. Entre 2001 e 2002, Longstreth gravou dois álbuns triplos, cujas melhores canções foram reunidas em Morning Better Last! O músico então decidiu gravar com um grupo de câmara, e em 2007 chamou atenção por suas regravações do clássico disco Damaged, do Black Flag. O sucesso veio em 2009, com o pop experimental do disco Bitte Orca, que dialogou com pop de FM e deu origem a hits como Stillness Is the Move. Em 2010, Longstreth colaborou com Björk no disco Mount Wittenberg Orca. / R.N.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.