''Um Rei Lear sem rancor''

ENTREVISTA

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2011 | 00h00

José Mayer, ator

Qual sua vivência em musicais?

Ainda pequena. Em 1996, estreei no gênero com No Verão de 96, com texto de Aderbal Freire-Filho. E, em 2007, fiz Um Boêmio no Céu, que não era um musical típico.

E agora veio o batismo de fogo.

Sim, Tevye é belo personagem, um homem rude com alma sofisticada. Ele aceita as mudanças, apesar de dar valor à tradição. É um Rei Lear sem rancor.

E como é a exigência vocal?

É muito pesada, pois o recitativo é quase operístico. Mas tento não ter vaidade no canto. Essa aproximação do texto falado com o cantado é minha grande aprendizagem. Fazer a passagem sem que se torne outro homem cantando.

Fazer a novela Fina Estampa vai atrapalhar?

Não, pois Aguinaldo Silva e Wolf Maia foram muito gentis ao me darem outro personagem, que só vai entrar no capítulo 30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.